Manoel Afonso

Colunista JPNews

Capital. Conquistar as classes A e B - o desafio!

Confira o artigo de Manoel Afonso pulicado na edição do Jornal do Povo, deste sábado (4)

Postado em 04 de JUNHO de 2016 às 9:44

Por Manoel Afonso

BRINCADEIRA Fala-se em mais de 10 candidaturas a prefeito da capital. Desse jeito a credibilidade da classe política piora ainda mais. Ora! Aqui todos sabem quem é quem. Os bordões ‘patrióticos’ deles na TV. não tem identidade com seus reais propósitos. 

VERGONHA!  FHC, Lula e Dilma igualmente culpados ao adiar a reforma política em nome de seus interesses eleitoreiros. O resultado é um monte de siglas inexpressivas e meia dúzia de partidos maiores sobrevivendo graças aos cargos e ao fundo partidário.

ENFERRUJADOS   A situação em MS é bem assim. O PT e PMDB, principalmente, ficaram nas mãos de caciques sem interesse em renovação para preservar seus espaços.  Zeca e o André – por exemplo, com os mesmos discursos e posturas em duas décadas. 

CURRAIS  As siglas lembram as capitanias hereditárias. Não se promove a oxigenação para atrair gente de peso de segmentos diversos. As filiações  objetivam  principalmente  a manutenção dos atuais mandatários que não aceitam a tese do desapego pelo poder.

PERGUNTO: Como seduzir um cidadão estável ou vitorioso na iniciativa privada a ingressar na política com esse quadro horroroso em todos os níveis?  É como convidar alguém a viajar num carro inseguro, por uma estrada perigosa  numa noite chuvosa. 

SOMBRIO  Ao mostrar o lado podre do poder  e colocando figurões na cadeia,  a ‘Lava Jato’ acabará influenciando na descrença da política.  O perigo seria o vazio natural, precedido da presença de oportunistas, na condição de salvadores da pátria. 

‘COFFE BREAK’   Denúncia não garante condenação. Os denunciados, é claro,  poderão concorrer nas eleições. Maluf é o exemplo de sobrevivência da longa novela nos tribunais, com prisão inclusive na justiça federal. Hoje tem mandato e fala grosso!

IRONIA O PT usou Maluf como figura emblemática do corrupto a derrotar. Mas para Haddad vencer Russomano, Lula foi à casa de Maluf ‘pedir ajuda’. Hoje Zé Dirceu é presidiário por corrupção e Lula corre sério risco de fazer-lhe companhia. Quem diria!

DESAFIOS  Poucos aqui tem o porte do Maluf em convencer a opinião pública de que são vítimas de perseguição ou algo parecido. Fazer propostas no horário eleitoral e ao mesmo tempo fazer a autodefesa do ‘coffe break’ exigirá muito preparo e argumento.

A VERSÃO  DO MP  vem sendo exposta com insistência na mídia   Os investigados não tem contestado com a indignação proporcional  aos argumentos que embasaram as denúncias. Estão encurralados como nos filmes de ação ou seria estratégia de defesa? 

O RELÓGIO corre contra os investigados que são candidatos. Hoje a prioridade deles é o aspecto político eleitoral  nestas eleições.  Não podem ignorar que o tema será explorado por Bernal e seus aliados no horário eleitoral. Um prato cheio e apimentado.

‘PEGADINHA’ Caso exista dinheiro da União que tenha sido objeto de fraude ou aplicação ilícita na denúncia do MPE referente ao ‘Coffe Break’, os autos serão remetidos à Justiça Federal. A revelação é do desembargador Bonassini ao colunista.

PREVISÕES  Pelo número elevado de investigados  e também devido a complexidade do caso, é certo que o processo não chegue ao final tão cedo. E não se deve esquecer  o princípio da ampla defesa que proporciona  recursos antes e após a sentença. 

CANDIDATURAS  Marcio Fernandes e Rose Modesto, independentemente da escolha dos  candidatos a vice já falam como candidatos. O peemedebista mostra coragem e desprendimento e a tucana cada vez mais desenvolta e disposta a quebrar barreiras. 

SURPRESA  Nos bastidores fala-se das divergências dentro do PPS, pois enquanto Athayde de Freitas articula candidatura própria à prefeitura, a vereadora Luiza Ribeiro  estaria propensa a optar por Bernal, podendo inclusive ser a candidata a vice prefeita. 

INTERESSANTE  Até aqui as exigentes classes A e B não adotaram essa ou aquela candidatura na capital; por conta da eleição vencida por Bernal, do caso ‘Coffee Break’, da ‘Lama Asfaltica’ e pela espera paciente das reais propostas dos postulantes.

DETALHES  Os eleitores destas duas classes não são movidos a paixão; tem a visão ancorada na análise do potencial dos candidatos que se apresentam. Todas as pesquisas mostram que esse contingente eleitoral observa muito e exige propostas palpáveis. 

VEJA BEM!   Pelo seu PIB anual  de dois milhões e meio de dólares, contra um bilhão e meio de dólares de Cuiabá, nossa capital merece um administrado à altura de desafios, muito além de discursos, bordões e  ações elementares como tapar buracos nas ruas.

ESTRATÉGIA Pela sua atuação e visão, Reinaldo é visto como o político capaz de fazer essa incursão junto as classes A e B, mostrando as  reais perspectivas da capital e  convencendo da necessidade urgentíssima de uma administração moderna e ousada. 

CICLOS  Cada um ao seu tempo. Como na vida, também na política é preciso fazer essa leitura, sob pena de equívocos  e decepções. Como outras antigas lideranças, o ex-governador André precisa fazer essa leitura, preservando a rica biografia inclusive.

O AVISO: A vida é dinâmica na cidade grande. Como disse o poeta  Mario Quintana: “quando se vê, já é sexta feira”.  Os dias passam;  J. Amorim e Giroto  ‘esquecidos’ na cadeia. Outros, em Curitiba, também pagam pela ambição sem limites. Vale a pena?

MORALIDADE  Deve ser o mote nestas eleições com tanta gente graúda na cadeia, passando – ao menos temporariamente – a impressão de que as coisas mudarão. Se competência qualifica o candidato, a honestidade não é mérito; é só obrigação.

 

Últimas Noticias