Manoel Afonso

Colunista JPNews

Sem Lula, PT apoiará Ciro Gomes?

Leia artigo do colunista Manoel Afonso, publicado na edição deste sábado do Jornal do Povo

Postado em 15 de OUTUBRO de 2016 às 4:25
ARQUIVO/JP
O articulista Manoel Afonso

Por Manoel Afonso

TRAGÉDIA O PT perdeu as calças – desde Amambai (MS) onde o candidato Anísio Prego ficou em 3° lugar – até Porto Alegre (RS) que governou por 16 anos, com  16% dos votos válidos. Após 2012, o PT encolheu 60,9% - perdeu 6 em cada 10 votos.

REPETIÇÃO  O então presidente da União Soviética Nikita Kruschev denunciou  em 1956 os crimes de Josef Stalin. Em 2016, no Brasil, graças a Lava Jato,  comunistas e petistas, de mãos dadas, foram massacrados nas urnas. E a fila é longa. Outros virão. 

LULA   O ex-presidente perdeu o ‘status’ de pai e herói da pobreza. As denúncias são graves e os seus advogados ainda não convenceram. É voz geral: depois do José Dirceu, João Vaccari, dos empresários sacanas, a vez dele está chegando; tá pertinho.

EXPECTATIVA  Basta uma condenação para Lula perder a primariedade. Aí o pau de bate em Chico baterá em Francisco. Mesmo os ministros do STF nomeados por Lula e Dilma não poderão ignorar as provas. Se a lei é igual para todos, ele não seria exceção.   

TRAGÉDIA Lula enrolado e o PT sem substituto. O PDT quer o apoio a candidatura presidencial de Ciro Gomes. A última ‘boa’ dele foi defender a então presidente Dilma. A mais famosa, em 2002, ao ridicularizar o papel da própria ex-mulher ( Patrícia Pillar).

“NOSSO  TRUMP’’  O candidato Donald Trump encolheu no debate na TV.  quando perguntado sobre suas opiniões a respeito das mulheres. Ciro Gomes ficaria igualmente de saia justa se instado a explicar seu machismo desvairado contra a delicada Patrícia.  

‘OPOSIÇÃO’   Do ex-presidente Getúlio Vargas: “ é mais fácil ser oposição do que situação; trabalha-se melhor com o imaginário ingênuo das pessoas”. Quanto ao  embate eleitoral ele assim definia: “ Não é a oposição que vence, é a situação que perde”.

A LIÇÃO “Todo ser pensamente votará em você” – dizia uma entusiasmada eleitora ao candidato democrata Adlai Senvenson, contra  Eisenhower em 1956. Ele respondeu: “Isso não é suficiente. Preciso da maioria”. E o democrata perdeu para o republicano.

SAÚDE  No centro do debate sucessório aqui na capital. Mas o caos é geral – com a ‘PEC do teto’ aumentou a preocupação. Ora! Se em 2013l gastamos só 591 dólares per capita com saúde, os argentinos gastaram 1.167 dólares e os ‘U.S.A’ - 4.307 dólares.

PEDRO CHAVES A bagagem de reitor incorporado ao mandato de Senador. Atua em comissões e audiências no Senado, discute emendas, recebe prefeitos, autoridades e está  presente em eventos na capital e interior. É voz geral: ele se encantou com a política.    

DINOSSAUROS As leis trabalhistas representam um frio da espinha de quem se propõe a gerar emprego. Criadas em 1943, estão na contramão da realidade mundial. Se aqui temos 4 milhões de ações trabalhistas ao ano, no Japão são 3 mil. Como competir?

É NOTÓRIO: A recuperação dos empregos, a retomada do crescimento e a melhora da competitividade passam inclusive pela reforma da Consolidação das Leis Trabalhistas.  Esse pessoal da ‘esquerda’ precisa acordar e criar juízo - ou o país vai para o vinagre. 

LEMBRANDO o ex-ministro Roberto Campos: “o poder sindical é essencialmente o poder de privar alguém de trabalhar ganhando os salários que estaria disposto a aceitar”. O mais irônico do quadro: os dirigentes sindicais ganhando sem trabalhar. Assim é fácil.

‘RESSURREIÇÃO’ Em 2006 foram 39.643 votos só na capital para deputado federal. Em 2010, reelegeu-se com 34.870 votos. Em 2012 não se elegeu vereador na capital - 4.912 votos. Aleluia: em 2016, dr. Antonio Cruz foi eleito vereador com 3.380 votos.

O EXEMPLO  de Antonio Cruz mostra a incrível volatilidade do patrimônio eleitoral de eleição para eleição. Como explicar a perda de seus 35 mil votos em 6 anos (2006-2012)?  Isso prova: o desempenho nas urnas está atrelado também a outros fatores. 

CAPITAL  Após a ressaca do 1º turno, os dois postulantes à prefeitura estão nas ruas em campanha. O acerto com Bernal não mudou a postura de Marquinhos. Por outro lado, a candidata Rose demonstra raro vigor ao recuperar-se da cansativa jornada. 

INSISTO  O total de votos a espera da melhor proposta abrange os eleitores que não votaram (19,20%); mais de 54 mil que votaram em branco ou anularam o voto; 52.636 que votaram nos outros postulantes e os 111.128 eleitores do prefeito Alcides Bernal. 

‘AROEIRA’ A invejável disposição do governador Reinaldo surpreende até os mais próximos nas tratativas da sucessão da capital. Ele não se deixa abater e passa energia positiva à candidatura de Rose Modesto. É possível inclusive que o senador Aécio Neves  visite Campo Grande para dar aquela força. 

O JOGO  está sendo jogado. Na análise dele entram vários fatores, inclusive a teoria da imprevisibilidade das urnas. Mas Marcos Trad tem a vantagem do aspecto psicológico, como do técnico do time que ganhou o primeiro jogo e com bom saldo de gols a favor.

SURPRESAS  acontecem nas eleições. O eleitor está assistindo aos programas na TV. com poder de influencia. Mas não se pode subestimar a sabedoria do imaginário popular, ou seja, quando eleitor decide influenciado pelo seu universo e conveniências.

ALÍVIO A mudança do teto do ‘Simples’ para R$3,6 milhões anuais beneficiará 33 mil empresas, recolhendo todos os tributos com um só documento. Decisão do Governo Estadual sensível aos apelos dos dirigentes da Fiems- federação das indústrias, e a Fecomércio, entidade de comerciantes. Vale para 2017.

Últimas Noticias