Educação

Quase metade dos estudantes brasileiros tem desempenho menor que o adequado

Os dados são do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico

Postado em 06 de DEZEMBRO de 2016 às 8:06
Arquivo/Agência Brasil
Estudantes não conseguem reconhecer a ideia principal em um texto ou relacioná-lo com conhecimentos próprios

Por Redação

Quase metade dos estudantes brasileiros (44,1%) está abaixo do nível de aprendizagem considerado adequado em leitura, matemática e ciências, de acordo com os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), divulgados hoje (6) pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Esses estudantes obtiveram uma pontuação que os coloca abaixo do nível 2, considerado adequado nas três áreas avaliadas pelo Pisa. Separadamente, 56,6% estão abaixo do nível 2 e  apenas 0,02% está no nível 6, o máximo da avaliação. Em leitura, 50,99% estão abaixo do nível 2 e 0,14% estão no nível máximo; em matemática, 70,25% estão abaixo do adequado, contra 0,13% no maior nível.

Isso significa que esses estudantes não conseguem reconhecer a ideia principal em um texto ou relacioná-lo com conhecimentos próprios, não conseguem interpretar dados e identificar a questão abordada em um projeto experimental simples ou interpretar fórmulas matemáticas.

"O nível 2 é o nível considerado mínimo para a pessoa exercer a cidadania", diz a secretária executiva do Ministério da Educação (MEC), Maria Helena Guimarães de Castro. "Todos os educadores insistem e nós também na questão da equidade. Esse resultado mostra problema de desigualdade muito grande". 

O Pisa testa os conhecimentos de matemática, leitura e ciências de estudantes de 15 anos de idade. A avaliação é feita a cada três anos e cada aplicação é focada em uma das áreas. Em 2015, o foco foi em ciências, que concentrou o maior número de questões da avaliação.

No total, participaram da edição do ano passado 540 mil estudantes que, por amostragem, representam 29 milhões de alunos dos países participantes. O Pisa incluiu os 35 países-membros da OCDE, além de economias parceiras, como o Brasil. No país, participaram 23.141 estudantes de 841 escolas. A maior parte deles (77%) estava matriculada no ensino médio, na rede estadual (73,8%), em escolas urbanas (95,4%).

Desigualdade

Dados apresentados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela aplicação do Pisa no Brasil, mostram que há no país grande desigualdade entre os estados em relação aos resultados do exame.

Em ciências, o estado que obteve a maior pontuação foi o Espírito Santo, com 435 pontos. O estado com o pior desempenho foi Alagoas, com 360 pontos. De acordo com os critérios da organização, 30 pontos no Pisa equivalem a um ano de estudos. Isso significa que, em média, há mais de dois anos de diferença entre os dois estados. A média do Brasil em ciências foi de 401 pontos.

Em leitura, cuja média do Brasil foi de 407 pontos, e em matemática, cuja média foi 377, 15 estados ficaram abaixo da média nacional: Roraima, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Pará, Pernambuco, Rondônia, Amapá, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe, Maranhão, Tocantins, Bahia e Alagoas.

Entre os fatores destacados pelo Inep que influenciam o baixo desempenho está o índice de repetência que, entre outras questões, pode desestimular os estudantes. Na avaliação, 36% dos jovens de 15 anos afirmaram ter repetido uma série pelo menos uma vez.

O nível socioeconômico também influencia o desempenho. Alunos com maior nível socioeconômico tendem a tirar notas maiores. Entre os países da OCDE, a diferença entre estudantes com maior e menor nível pode chegar a 38 pontos de proficiência. No Brasil, essa diferença chega a 27 pontos, ou o equivalente um ano de aprendizagem.

"O Brasil não melhorou a qualidade e nem a equidade nos últimos 13 anos, principalmente", diz Maria Helena. "A única melhora do país foi no fluxo. É importante registrar que 77% dos estudantes que fizeram o Pisa estão no ensino médio", acrescenta. (Informações da Agência Brasil)

Últimas Noticias
Agora na Capa
Penalidade

Quem jogar lixo nas vias públicas pode ser multado em mais de R$ 400

Correios

Sem efetivo, 20 mil correspondências ficam acumuladas em Três Lagoas

Corre ou conta

Parque São Carlos é 'eleita' a pior escola de Três Lagoas

Trânsito

Seis novos semáforos entram em funcionamento até sexta-feira

Plantão

18:59

Corpo de Bombeiros e Marinha do Brasil

Marinha do Brasil ministra curso para bombeiros de Paranaíba e região

18:58

Artigo

2017/2018: o Biênio da Matemática no Brasil

17:40

Carne Fraca

Ministério da Agricultura recolhe amostra de produtos de frigorífico investigado

17:29

Penalidade

Quem jogar lixo nas vias públicas pode ser multado em mais de R$ 400

17:24

Legislação própria

Para presidente do Sinted, exclusão dos servidores da reforma da Previdência representa ‘golpe’

17:06

Investigação

Exportação de carne caiu após Operação Carne Fraca, diz Maggi

16:33

Furto

Uems em Paranaíba é invadida e furtada

+ notícias
Educação
Corre ou conta

Parque São Carlos é 'eleita' a pior escola de Três Lagoas

Preocupante

Em Três Lagoas, 26 a cada 100 alunos da rede pública não foram aprovados

Negociação

Prefeito concede reajuste do piso,mas pede cancelamento de ação na Justiça

Oportunidade

Estudantes podem concorrer a partir de hoje a vagas não preenchidas do Fies

Previsão

Estudantes deverão ter acesso ao espelho da redação do Enem até 10 de abril

Educação

Termina nesta sexta prazo para estudantes na lista de espera do Fies concluirem incrição

Mobilização Nacional

Cerca de 500 trabalhadores participam de manifestação em Três Lagoas

ver +