Rádios On-line
16780
CBN AÇÃO 2019 PAULO VICENTE
DIVISÃO MS

Conheça a história do hino de Mato Grosso do Sul

Saiba quem foi Camisão, Ricardo Franco e outros personagens

10 OUT 2019 - 10h:33Por Isabelly Melo

O Hino de Mato Grosso do Sul foi escolhido em um concurso, e instituído pelo decreto nº 3 de 1 de janeiro de 1979. A letra que entoamos até hoje, em escolas e datas especiais foi escrita por Jorge Antônio Siufi e Otávio Gonçalves Gomes, com música de Radamés Gnattali.

Partitura da letra do hino de MS  Foto: André Bittar

A canção, que tem por objetivo ressalta as belezas naturais do Estado, fala também sobre diversos personagens históricos, como Vespasiano Martins, político que lutou pela divisão do Estado, foi prefeito de Campo Grande e também senador por Mato Grosso do Sul. Camisão e Antônio João, uns dos principais heróis que lutaram na Guerra do Paraguai em defesa das terras sul-mato-grossenses. Os Guaicurus, conhecidos como índios cavaleiros, lembrados pela habilidade em lutar, resistindo a influência de outros povos. E Ricardo Franco, protetor do Forte Coimbra.

E segundo o sociólogo Paulo Cabral o hino do Estado, apesar de rico e muito bonito, não tem apelo social, o que, de acordo com o sociólogo torna a canção distante da população, tornando a sensação de pertencimento mais frágil.

Cabral explica que esse sentimento se deve ao fato de que a letra não tem ligação direta com a população ou com algum período em que a canção tenha ficado marcada. Como os hinos de times de futebol, por exemplo. 

E mesmo como esse possível distanciamento dos sul-mato-grossense com o hino do Estado, a letra ressalta várias características de Mato Grosso do Sul, como as belezas naturais na estrofe “Tuas matas e teus campos, O esplendor do Pantanal, E teus rios são tão ricos, Que não há igual”. Ou os aspectos econômicos em “Os celeiros de farturas [...] A pujança e a grandeza de fertilidades mil’.

A canção ainda cita a geografia do Estado, na seguinte parte “Moldurados pelas serras, Campos grandes: Vacaria”. Por fim, o sociólogo esclarece que mesmo com todas as dificuldades do hino, como palavras desconhecidas, o sentimento de pertencimento ao Estado existe, ao por exemplo ressaltar que não se trata de Mato Grosso, mas sim de Mato Grosso do Sul.

Ouça a matéria completa:

Deixe seu Comentário

Rádio CBN CG

Ver Todos os Vídeos