Rádios On-line
8938
AGEPEN

Reeducandas recebem orientação sobre relacionamentos abusivos

Segundo Mari Jane Boleti esse é um tema bastante delicado que precisa ser debatido, principalmente com as mulheres em situação de prisão

7 MAR 2018 - 10h:00Por Redação

Abordar a violência doméstica contra a mulher pode ser um desafio, principalmente quando se trata daquelas que estão em situação de prisão. Com objetivo de quebrar paradigmas e incentivar o empoderamento feminino, foi realizada uma palestra a internas do Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi” (EPFIIZ), na Capital.

A ação integra parceria entre Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) e a União das Advogadas do Brasil (UAB), buscando agregar às detentas conhecimento sobre o empoderamento das mulheres, independente de onde estejam.

Ministrada pela presidente da UAB, Eclair Nantes, a palestra abordou o papel da mulher na sociedade e nos relacionamentos, com foco em despertar nas internas o fortalecimento do gênero. Por meio de exemplos concretos e de forma descontraída, a apresentação conseguiu provocar nas reeducandas a importância de superar traumas ocasionados por violências físicas e psicológicas vivenciadas por muitas delas no ambiente familiar.

Pouco a pouco, as participantes foram se abrindo e falando da necessidade de serem protagonistas da superação e fortalecimento da mulher. “Tratar sobre violência junto às mulheres é muito importante para quebrar paradigmas e encerrar esse ciclo vicioso”, destacou a palestrante, que também é Conselheira Estadual da OAB/MS e membro da Comissão Nacional da Mulher Advogada .

Segundo a especialista, em geral, no primeiro momento, as mulheres ficam muito fechadas, porque acreditam que não passam por este tipo de sofrimento, a não ser aquela que realmente já apanhou ou já sofreu  violência que consideram mais grave.  “Mas quando começamos a falar que a violência começa, inclusive, no ciúme, aí passam a se identificar e vão se abrindo e vendo que, muitas delas, já passaram por este tipo de relacionamento abusivo”, afirmou Eclair Nantes.

Pela primeira vez dentro do presídio, a palestra também deu enfoque na Lei nº 11.340/2006, a Lei Maria da Penha, reconhecida mundialmente. Com depoimentos e de forma bem descontraída, a palestrante explicou que, na maioria das vezes, a violência começa em pequenas humilhações e vai piorando progressivamente.

Muitas internas se identificaram com os exemplos contados, algumas até compartilharam situações vivenciadas. É o caso de J.L.T.C., presa há quatro meses, e que viveu um relacionamento abusivo por mais de 20 anos, onde era vítima de violência física e psicológica constantemente.

Para ela, a palestra foi um momento para se expressar, compartilhar experiências vividas e conhecer quais os caminhos possíveis para recorrer em caso de violência doméstica.

“Como já estive no ciclo de violência, eu me identifiquei muito com essa iniciativa. É importante falar sobre o assunto aqui no presídio, já que muitas mulheres têm medo de se expressarem e essa oportunidade é justamente para isso”, contou a interna.

Segundo a diretora do EPFIIZ, Mari Jane Boleti, esse é um tema bastante delicado que precisa ser debatido, principalmente com as mulheres em situação de prisão. “É uma oportunidade das internas conhecerem mais sobre seus direitos, além de ser uma alternativa de ter o apoio necessário para quem já sofreu algum tipo de abuso, aumentando a autoestima delas”, afirmou a diretora.

A ação faz parte da comemoração da semana do Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março. A palestra também é realizada em outros ambientes, como escolas, rede de apoio à mulher, associações de assistências sociais, por meio de agentes de saúde, entre outros.

Diversos programas têm sido desenvolvidos com as mulheres encarceradas do Estado, com foco no combate à violência doméstica, conforme o diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves. “Objetivamos resgatar a dignidade, quebrar o ciclo de agressões e humanizar esse tema por meio do aumento da conscientização”, finaliza. (Com informações da Agepen)

Deixe seu Comentário

Rádio CBN Campo Grande

Ver Todos os Vídeos