Rádios On-line
8503
Prefeitura PROREME 10 a 3011

Índice dos preços dos aluguéis desacelera

O indicador, que é utilizado como balizador para reajustes em contratos de tarifas de energia, contratos de prestação de serviços e de aluguel

10 DEZ 2008 - 13h:08Por Redação

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou variação de 0,14% no primeiro decêndio (período de dez dias) de dezembro. De acordo com dados divulgados hoje (10) pela FGV, o resultado ficou abaixo do verificado no mesmo período do mês anterior, quando a variação foi 0,80%.

O indicador, que é utilizado como balizador para reajustes em contratos de tarifas de energia, contratos de prestação de serviços e de aluguel, acumula no ano alta de 10,10%. Nos 12 meses fechados novembro, a elevação acumulada também é de 10,10%.

Entre os índices que compõem o IGP-M, o que mede a evolução dos preços por atacado (IPA) teve alta de 0,04%, menos intensa do que a elevação de 1,01% no mesmo período de novembro. O IPA responde por 60% da formação do IGP-M. A inflação dos bens finais recuou de uma alta de 0,29% para deflação de 0,16% e a principal contribuição veio de alimentos processados (de 0,92% para -0,36%).

No estágio dos bens intermediários, a taxa passou de 1,51% para -0,64%, com destaque para suprimentos (de 5,90% para -3,85%). Os preços de matérias-primas brutas sofreram elevação de 1,31%, depois de ter registrado alta de 1,04%. O resultado foi puxado pelos itens tomate (de -8,22% para 62,06%), soja em grão (de -1,16% para 0,65%) e suínos (de -6,82% para 2,14%). Em movimento oposto, destacaram-se minério de ferro (de 19,28% para 5,19%), arroz (de 2,32% para -6,09%) e laranja (de 8,12% para -5,10%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), responsável por 30% do IGP-M, subiu 0,36%, ante alta de 0,22% na primeira prévia de novembro. Contribuíram para o resultado os grupos alimentação (de 0,12% para 0,36%), principalmente hortaliças e legumes (de -6,24% para 5,08%), laticínios (de -0,04% para 0,97%) e restaurantes (de 0,34% para 1,44%); e habitação (de 0,26% para 0,39%), com destaque para tarifa de eletricidade residencial (de 0,06% para 0,44%) e profissional para reparos de residência (de 0,37% para 1,67%).

De acordo com o levantamento, também foram observadas altas nos preços de vestuário (de 0,63% para 0,93%), saúde e cuidados pessoais (de 0,43% para 0,58%), educação, leitura e recreação (de 0,26% para 0,38%) e despesas diversas (de -0,14% para -0,09%). Apenas o grupo Transportes (0,12% para 0,07%) apresentou desaceleração, influenciado pelo recuo nos preços da gasolina (de 0,07% para -0,19%).

Último componente do IGP-M, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), responsável por 10% da composição global, apresentou alta de 0,27%, resultado que ficou abaixo do observado na primeira prévia de novembro (0,70%). O movimento foi influenciado pela desaceleração em materiais e serviços (de 1,19% para 0,37%). Já o custo da mão-de-obra subiu 0,15%, depois de sofrer elevação de 0,13%.

O IGP-M do primeiro decêndio de dezembro compreendeu o período entre os dias 21 e 30 do mês de novembro.

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13

Ver Todos os Programas da TVC
Dá Negócio
6864