Rádios On-line
7913
Prefeitura Folclore 14 a 180819

Nível de endividamento das famílias brasileiras caiu para 43,9%

Indicadores foram apurados em pesquisa mensal do Ipea com 3,8 mil domicílios em 200 municípios do país.

20 AGO 2012 - 15h:26Por Redação

 Levantamento divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) indica que o nível de endividamento das famílias brasileiras vem caindo no país. Entre junho e julho, a pesquisa mostra que passou de 46,6% para 43,9% o percentual de entrevistados com dívidas. Em julho de 2011, o índice de endividados era de 47,9% das famílias.

Os dados compõem o Índice de Expectativa das Famílias, que mede a percepção dos brasileiros sobre a economia e caiu de 68,5 pontos, em junho, para 68,2 pontos, em julho. Os indicadores foram apurados em pesquisa mensal do Ipea com 3,8 mil domicílios em 200 municípios do país.

O levantamento também aponta mudanças no perfil de endividados no país com a diminuição do percentual de famílias muito endividadas, de 9,1% para 7,1%, entre junho e julho. O índice tinha chegado a 9,7%, em agosto de 2011, depois de marcar 9,2% em julho daquele ano. Os mais ou menos endividados em julho deste ano somam 18,8%, e os poucos endividados, 18%.

Segundo a presidente do Ipea, Vanessa Petrelli Corrêa, a série mostra uma virada da situação econômica das famílias, com a diminuição de dívidas e o aumento da capacidade de pagamento. Segundo ela, os números refletem "estabilidade no emprego e o fato de que famílias estão pagando um ciclo de endividamento". Vanessa acrescenta, porém, que só uma trajetória mais longa pode comprovar a guinada.

O levantamento mostra ainda aumento de 14,5% para 17,9% das famílias que afirmam ter condições de pagar totalmente suas dívidas, entre junho e julho, e queda do percentual das que dizem poder pagar somente parte das dívidas (de 51,2% para 46,8%). O número das que não têm condições de pagar o saldo de débitos, por outro lado, subiu de 33% para 33,3% no período.

Na comparação do endividamento entre as regiões, famílias com menos dívidas são do Centro-Oeste (92,6%) seguida pelo Sudeste (61%) e pelo Sul (59,8%). Já no Nordeste, o índice caiu para 39,9% e para 26% no Norte - que tem o maior percentual de famílias muito endividadas, 9%. Por faixa de renda, as famílias "muito endividadas" recebem até um salário mínimo (10,2%).

O Ipea não calculou a relação entre comprometimento da renda domiciliar com as dívidas, que são R$ 4, 5 mil por família, em média, descontando o financiamento da casa própria.

A maioria das famílias consultadas na pesquisa disse não ter dívidas (55,8%) e, entre aquelas com saldo de débitos, 17,9% disseram que têm condições de quitá-los completamente, embora uma em cada três famílias entrevistadas não tenham condições de fazer o mesmo.

EMPREGO

Com relação ao emprego, 80,8% das famílias se sentem seguras com a ocupação do responsável pela casa e 41,1% acreditam na melhoria profissional dos chefes de famílias. A expectativa é mais alta entre aquelas com renda de um a quatro salários mínimos e com mais de dez salários.

Na avaliação da maioria (77%), segundo o Ipea, a situação financeira em 2012 é melhor que a de 2011. Boa parte (58,3%) considera o momento bom para comprar bens de consumo duráveis, embora o índice tenha diminuído em relação a junho (60,2%).

Em relação ao futuro, as famílias brasileiras são otimistas. Para 2013, 65% esperam que a situação econômica melhore, enquanto 21,3% "esperam piores momentos". Nas regiões Centro-Oeste e Sudeste as estimativas são as mais elevadas, de 83,5% e 67,5%, respectivamente.

As taxas são quase as mesmas em relação às expectativas para os próximos cinco anos. Para a presidente do Ipea, mesmo que as famílias brasileiras estejam mais cautelosas no momento atual, elas confiam na estabilidade do emprego e acreditam que mais adiante será possível retomar as compras.

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13

Ver Todos os Programas da TVC
BAND
7300