Rádios On-line
7918
Prefeitura IDEB 15 a 3009
AGRICULTURA FAMILIAR

Agraer promove dia especial da batata-doce

Boa fonte de carboidratos necessários para energia, a batata-doce, é um tubérculo que também tem boas doses de cálcio, magnésio, potássio, vitaminas do complexo B, vitamina A, E e C

7 MAR 2018 - 11h:00Por Redação

A Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer) promove uma ação de campo intitulada de “Dia Especial Sobre a Batata-Doce”, no município de Glória de Dourados, nesta terça-feira (6).

O trabalho é uma ramificação dos estudos das pesquisadoras do Centro de Pesquisa e Capacitação da Agraer (Cepaer), Mariana Zatarin e Liliane Kobayashi.

“Em 2014, iniciamos um estudo com cultivares de batata-doce, algumas naturais do próprio Mato Grosso do Sul. As pesquisas tiveram continuidade e, em 2017, fizemos uma parceria com a Universidade estadual de Mato Grosso do Sul (Uems) e a prefeitura. Em abril do ano passado, fizemos o plantio para multiplicação das ramas de batata-doce em uma área da Departamento de Fomento Agropecuário de Glória de Dourados (Defap) e, em novembro, foram selecionados 11 genótipos e plantados na Unidade Demonstrativa da Uems, do curso de Agroecologia”, informou Mariana.

A batata-doce é um tubérculo que tem boas doses de cálcio, magnésio, potássio, vitaminas do complexo B e vitamina A, E e C.

O estudo em torno da batata-doce também tem a finalidade de reduzir a importação do alimento dentro da Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul (Ceasa), aumentar o poder de comercialização dos agricultores familiares e, consequentemente, aumentar o leque de variedades de batata-doce ofertadas aos consumidores.

“A batata-doce está em alta no mercado e, atualmente, está sendo denominada ‘alimento dos atletas’ em função dos benefícios à saúde humana e da contribuição ao desempenho dos esportistas. O quilo da batata-doce pode chegar a R$ 3,00 o quilo. Contudo, a quantidade que o Mato Grosso do Sul importa ainda é muito grande sendo que o que chega em termo de variedade é bem pouca. Uma é a de casca rosada e polpa amarela clara, a mais conhecida, e a outra é a de pele branca”, diz a pesquisadora.

Para o agricultor Dinacir Luiz Felippi, a capacitação foi produtiva na unidade demonstrativa. “Eu conheci variedades de batata-doce que até então eu não conhecia. A gente tirou as dúvidas de cultivo com profissionais que conhecem bem o desenvolvimento da batata-doce, e falamos das nossas dificuldades sobre a logística de comercialização. Futuramente, acho que posso cultivar batata-doce para venda. Por enquanto, o uso é para dentro do sítio, nas refeições de casa e no complemento da alimentação das criações, porcos e peixes”.

Zatarin ainda explicou que o cenário sul-mato-grossense, solo e clima, são propícios para o cultivo desse tipo de alimento e que a Agraer está com ações de fomento à produção. “No caso da região de Glória de Dourados, os agricultores da região que tiverem intenção de cultivo podem buscar o nosso escritório do município. Lá, Os técnicos em parceria com a Uems e Prefeitura podem disponibilizar ramas para plantio”.

Só dentro da Cepaer, em Campo Grande, Mariana Zatarin conta com mais de 20 tipos distintos de batata-doce no estudo sobre o cultivo e desenvolvimento. Além da própria área da Universidade, que conta com a coordenação das pesquisadoras da Agraer e o trabalho de professores e estudantes do curso de Agroecologia.

“Originalmente, as pesquisas surgiram no começo dos anos 2000 quando muitos materiais de mandioca e batata-doce foram coletados em Mato Grosso do Sul e levados ao Instituto de Agronômico de Campinas, em São Paulo. Em 2014, fizemos a retirada, no Instituto, de algumas cultivares de batata-doce tanto típicas de nosso Estado como de outras regiões. E, há variedades de batata-doce em nosso experimento que foram coletadas originalmente em municípios como Chapadão do Sul e Bodoquena”, recordou.

No Cepaer, em Campo Grande, tem mais de 20 tipos distintos de batata-doce para o estudo sobre o cultivo e desenvolvimento do tubérculo. Foto: Divulgação

Benefícios

Boa fonte de carboidratos necessários para energia é um tubérculo que também tem boas doses de cálcio, magnésio, potássio, vitaminas do complexo B, vitamina A, E e C, sendo que todos são importantes para a saúde da nossa pele, olhos, músculos, manutenção da imunidade e combate aos danos causados pelo excesso de radicais livres.

A batata-doce também é um alimento rico em fibras o que auxilia o funcionamento intestinal e a saciedade e, ainda, lhe confere a baixa carga e índice glicêmico, o que faz uma liberação gradativa de energia ao corpo humano.

Este é um dos pontos que tornou o alimento preferido entre esportivas profissionais e amadores e recomendada até mesmo na dieta dos diabéticos. “Rica em carboidratos complexos, de baixo índice glicêmico, a batata-doce liberta o açúcar de forma bastante lenta na corrente sanguínea sem picos de açúcar no sangue, evitando o aumento do colesterol ruim (LDL) e dos triglicerídeos. O que a torna uma fonte de energia estável que oferece uma boa capacidade de resistência e desempenho durante o treino”, concluiu Mariana. (Com informações da Agraer)

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13

Ver Todos os Programas da TVC
BAND
7300