Rádios On-line
8028
Prefeitura Topo Queimada
IAGRO

Exames apontam que 1,1 mil bovinos morreram por botulismo

Animais foram encontrados mortos em propriedade rural, localizada em Ribas do Rio Pardo

11 AGO 2017 - 14h:30Por Kelly Martins

Exames confirmaram que botulismo foi a causa da morte dos 1,1 mil bovinos em uma propriedade rural, no município de Ribas do Rio Pardo, em 7 de agosto. Em nota técnica divulgada nesta sexta-feira (11), a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de Mato Grosso do Sul (Iagro) e a Superintendência Federal de Agricultura em Mato Grosso do Sul (SFA/MS) informam que os animais sofreram infecção alimentar.

Os animais foram estavam confinados na fazenda Marca 7 de propriedade do  pecuarista Pérsio Airton Tozzi. Ele estima prejuízos de mais de R$ 2 milhões.  De acordo com a Iagro, os primeiros resultados dos ensaios laboratoriais das amostras da silagem de milho fornecida aos bovinos do confinamento, demonstraram a presença das toxinas botulínicas tipo C e D, confirmando a suspeita inicial do setor de Patologia Veterinária da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Dessa forma, a presença destas toxinas no alimento dos animais, somada à investigação clínico-epidemiológica realizada na propriedade rural, permite a conclusão do caso com o diagnóstico de botulismo.

“Vale ressaltar que não se trata de doença infectocontagiosa, mas sim de uma intoxicação alimentar. O clostridium botulinum, bactéria produtora da toxina, está normalmente presente no ambiente e depende de condições favoráveis para o seu desenvolvimento, tais como matéria orgânica, alta umidade e anaerobiose, o que pode ser evitado com boas práticas e cuidados na formulação, conservação e armazenamento dos alimentos a serem fornecidos aos animais”, consta trecho da nota.

O botulismo ataca o sistema nervoso do animal provocando paralisia motora e o período de incubação é de uma semana a oito dias. 

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13

Ver Todos os Programas da TVC
Dá Negócio
6651