Rádios On-line
8938
TVC
INFRAESTRUTURA

Queda de ponte isola região de Jardim

Produtores locais já vinham enfrentando problemas com o transporte e acesso às propriedades depois do desabamento da ponte de madeira sobre o córrego Guardinha, em fevereiro do ano passado

28 FEV 2018 - 10h:00Por Redação

 

O desabamento parcial da ponte de concreto sobre o rio dos Velhos, construída em 2014, durante fortes temporais na semana passada, isolou uma importante região produtora de grãos e de boi gordo no município de Jardim. O prefeito do município, Guilherme Monteiro, decretou estado de emergência para conseguir recursos e recuperar a estrutura em caráter emergencial.

A correnteza do rio deslocou um dos blocos da ponte de concreto, interditada pela prefeitura, e interrompeu o tráfego na estrada vicinal que dá acesso à área serrana do município, distante 25 km da cidade. A travessia foi construída pela mesma empresa que edificou a ponte sobre o rio Santo Antônio, em Guia Lopes da Laguna, a qual desabou em efeito dominó em janeiro de 2015 e está sendo reconstruída pelo governo do Estado.

Ponte de concreto cedeu em um dos pilares. Agesul abrirá processo para investigar as causas.

“Com pouco mais de três anos de uso, a ponte cedeu, devido às chuvas intensas que caíram na região, e os nossos produtores, tanto os grandes como os pequenos, estão contabilizando um prejuízo muito grande”, relatou o prefeito. Segundo ele, a situação se agrava com a falta de alternativas de acesso para escoamento da produção de soja, que está sendo colhida, e a saída de gado em pé para os frigoríficos.

Prefeito Guilherme Monteiro: prefeitura e Agesul buscam alternativa para atender produtores.

“Pagando o pato”

A produção de soja na região está ameaçada de ser perdida com a interrupção do tráfego. A família de agricultores que arrendou a Fazenda Ribalta, a poucos metros do rio, vive um drama. “Se a gente não conseguir sair com essa soja, vamos à falência. Investimos tudo que tínhamos numa lavoura de 400 hectares e não colhemos 10% por falta de local para armazenar. Estamos desesperados”, conta o lavrador Felipe Decarli, 25 anos.

A família de Felipe arrenda a fazenda há três anos e esperava um bom lucro com esta safra, com estimativa de colher mais de 20 mil sacas de soja. Mas a queda da ponte destruiu também o sonho de quem é agricultor familiar. “Não tiramos três mil sacas e o tempo de colheita é curto”, lamenta Felipe, na margem do rio. “O governo passado construiu uma ponte mal feita, sem cabeceira, e agora pagamos o pato.”

Agricultor familiar, Felipe teme pelo pior: “se a gente perder essa soja será a nossa falência”.

Ponte terá perícia

Em visita à região, o prefeito de Jardim anunciou uma medida paliativa: com o apoio da Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul), a prefeitura iniciará a recuperação e cascalhamento da estrada que corta o banhado da região conhecida como Água Amarela, para garantir a passagem de caminhões com soja e boi. “É a única alternativa que dispomos”, disse Guilherme Monteiro.

A Agesul, em Campo Grande, já abriu processo para contratar técnicos que vão periciar a ponte sobre o rio dos Velhos, para definir as causas e convocar a empreiteira responsável pela obra para refazer o lance que desabou. Análises preliminares, segundo o órgão da secretaria estadual de Infraestrutura, apontam que houve afundamento de um dos jogos de esteio de sustentação da ponte e rompimento da cabeceira.

Assentados improvisaram uma ponte no Guardinha; caminhões passam por dentro do córrego.

Crianças sem escola

Os produtores locais já vinham enfrentando problemas com o transporte e acesso às propriedades depois do desabamento da ponte de madeira sobre o córrego Guardinha, em fevereiro do ano passado, também em consequência das chuvas. O córrego é passagem obrigatória para as 200 famílias de agricultores dos assentamentos Guardinha e Recanto do Miranda.

Os moradores improvisaram uma pinguela com capacidade para uma tonelada, mas os caminhões têm que passar por dentro, em manobra arriscada, puxados por tratores. O caminhoneiro paranaense Villi Lenz, que transporta a soja da região, disse que conseguiu carregar apenas cinco cargas. “Já estava difícil atravessar o córrego, agora sem a ponte (de concreto), estamos sem frete, amargando o prejuízo”, fala.

Para os produtores dos assentamentos, o isolamento vai muito além das dificuldades de levar a produção (leite, mel e hortifrutigranjeiros) para vender na cidade. Sem a ponte do Guardinha, os ônibus escolares não transitam e as crianças da comunidade não tem como ir à escola. “A gurizada está sem estudar porque só passa carro pequeno na ponte improvisada”, diz Adão Marques, 54, do assentamento Guardinha.

Ponte será licitada

A construção de uma ponte de concreto no córrego, em substituição à de madeira, está orçada em R$ 1,5 milhão, a ponte está em processo de licitação, informou a Agesul. “Essa ponte nova é a nossa esperança, será a redenção da região”, comemora Abel Morgiroti, 72 anos, dono do Sítio Fome Zero, no Recanto do Rio Miranda.(Subcom)

Deixe seu Comentário

JORNAL DO POVO MOBILE

TVC Canal 13

JORNAL DO POVO