Moda

Tudo o que você precisa saber sobre o segundo dia de SPFW N45

Uma Brasil, Osklen, Samuel Cirnansck, João Pimenta e Patricia Bonaldi.

24/04/2018 08:10


 

O segundo dia de SPFW começou com o desfile da UMA, no Museu da Imigração do Estado de São Paulo. A locação dialogou com o tema da coleção, chamada Origem, que celebra a multiculturalidade do Brasil. Roupas e acessórios utilitários aparecem em calças cargo fluidas, tricôs com amarrações e bolsas sacola que remetem às longas viagens feitas por refugiados.

O tema não fica apenas na passarela: uma camiseta com o nome da coleção estará à venda na loja, com dinheiro revertido para a ONG Abraço Cultural. Além disso, na próxima quarta-feira, dia 25 de abril, uma feira de refugiados, com música, comida e roupas de diversas culturas, será organizada na loja da marca, no bairro da Vila Madalena, em São Paulo.

Segundo dia de SPFW

Já na Osklen, Oskar Metsavaht renovou seu repertório imagético com um novo statement sobre a sustentabilidade. Asap (as sustainable as possible) é a palavra de ordem que leva a tecnologia aplicada a processos e materiais a um novo capítulo do storytelling da Osklen. O luxo de Oskar é feito de tecidos eco, que por exemplo recriam o efeito pluma com pencas de charmosas franjas. O pirarucu está nas bolsas mas também nos tops estruturados e minimalistas. O acessório da vez porém são as superpochetes, especialmente a brilhante, ponto de luz em uma cartela sóbria, salpicada de verdes e azuis. No meio da crise da moda brasileira, a grife mantém de pé sua identidade, com o jogo de cintura necessário para atrair novos consumidores com peças-hit do momento. Da passarela saem duas imagens: a da desencanada meio grunge e a da chiczinha minimalista, os dois lados da moeda que banca o jogo da grife. Ambas, é claro, super ligadas em economia sustentável e no que ela representa na realidade e como capital simbólico.

Osklen lança linha de básicos

Combinando Hello Kitty e Gustav Klimt, Samuel Cirnansck criou vestidos e conjuntos de alfaiataria para sua fiel clientela de moda festa. A geometria e as camadas das pinturas do artista viram recortes sobrepostos nos longos de renda e a bonequinha atualiza duas das melhores peças da coleção: a jaqueta rosa bordada de canutilhos que acompanhava um vestido de silhueta 50’s e a camisa estampada no look de calça e casaqueto preto. Para fechar, ele apresentou ainda suas novas propostas para as noivas da próxima estação.

Segundo dia de SPFW N 45

O universo esportivo do surf foi o ponto de partida para o inverno 2018 de João Pimenta. O neoprene das “roupas de borracha” viraram t-shirts extra-large com acabamento esperto de punho de tricô que sobra na lateral das peças. Uma vibe Califórnia 70’s paira pelo ar, as calças tem barras com abertura generosa lembrando as modelagens da época, as tapeçarias do deserto viram casacos e a cartela de tons terrosos esquenta a apresentação. Lindas as calças fluídas que beiram as canelas e o styling inteligente que combina nylon, tecidos de alfaiataria e tricô no mesmo look.

Segundo dia de SPFW N 45

Enquanto isso, Patricia Bonaldi foi dar a volta no mundo, foi ver o mundo girar com sua PatBo e voltou toda trabalhada no espírito da vida jetsetter com climão gipsy. É uma mistura de xadrez, lurex, renda, bordado. Com brilho, com alfaiataria, com vestido de festa, com tudo.

Segundo dia de SPFW N 45

Por fim, para o seu verão, a Lilly Sarti mergulhou nos tons pastel para atenuar o fogo latino dos shapes de sua coleção. A ideia é fazer um equilíbrio entre os babados poderosos e as modelagens com charme emprestado do final da década de 1970 com cores como o rosa clarinho e o azul bebê. Nada de comprimentos acima do joelho nesta temporada: as barras, em geral, batem no tornozelo e dão frescor às peças da etiqueta. Com Loulou de la Falaise no board de inspirações, as designers agradam mais uma vez a sua cliente antenada que ama o estilo boho contemporâneo. 

Lilly Sarti SPFW N45

(mdemulher)


Redação