Saúde

Dia Mundial de Conscientização da Hemofilia será com palestras e orientação

Público alvo são portadores de hemofilia, familiares, profissionais que atendam hemofílicos e imprensa

16/04/2019 09:00


Para chamar a atenção para o Dia Mundial de Conscientização da Hemofilia, doença caracterizada por problemas de coagulação do sangue, o Hemosul de Campo Grande realiza nessa quarta- feira (17), às 17 horas, uma série de palestras com o objetivo de conscientizar a população sobre o tema. A ação é uma iniciativa da Associação de Pessoas com Hemofilia de Mato Grosso do Sul (APHEMS), em parceria com o Hemosul.

Conforme a programação, participará do evento o atleta de paratriatlo Willian Aleixo de Oliveira, portador de hemofilia A grave e conhecido como embaixador da causa no Brasil. Haverá ainda palestra com a educadora física, especializada em atendimento educacional e fortalecimento muscular, Gabriela Camargo; com a fisioterapeuta, especializada em pessoas com coagolopatias, Ana Claudia Ribeiro; além da psicóloga Alessandra Devicari.

A expectativa é receber até 50 pessoas no auditório do Hemosul. O público alvo são portadores de hemofilia, familiares, profissionais que atendam hemofílicos e imprensa. 

Embaixadores

A Federação Brasileira de Hemofilia nomeou cinco embaixadores de hemofilia no Brasil que se destacaram com histórias de superação, desafios ou vitórias. O paratleta Willian será o terceiro embaixador a visitar Campo Grande.  

Hemofilia

Celebrado todos os anos, em vários países, o dia 17 de abril tem como objetivo principal mostrar a realidade dos que convivem com a doença. De causa hereditária e ainda sem cura, a hemofilia é causada pela falta ou diminuição de algumas proteínas no sangue. O portador da doença tem sangramentos espontâneos internos e externos, além de possuir retardo no tempo de coagulação sanguínea.

Conforme dados do Annual Global Survey, uma pesquisa global anual, realizada pela Federação Mundial de Hemofilia, em 2017 existiam no Brasil 12.432 pessoas portadoras da doença, sendo mais de 10 mil hemofílicos com o tipo A. Segundo dados da APHEMS, em 2018 Mato Grosso do Sul tinha, aproximadamente, 150 pessoas com a doença.

(Informações Notícias MS)


Redação