Prefeitos e Prefeitas

Triste fim de Miguel Tabox

Leia a edição especial de comemoração aos 70 anos do Jornal do Povo

16/09/2019 07:00


Durante seus 70 anos de circulação, o Jornal do Povo noticiou muitos fatos e ações do homem de empresa e das suas obras  na administração de Três Lagoas. Entre elas, a morte do ex-prefeito Miguel Jorge Tabox, que governou de 1989 a 1992. O JP publicou reportagem do crime encomendado pela ex-mulher e por um amante dela.

Miguel Tabox, ou Miguelão, como era chamado, foi considerado um dos grandes prefeitos da cidade, mesmo com a obra frustrada do viaduto.

Sua administração foi marcada pela construção de casas populares e pela iluminação ornamental da cidade. Também construiu o velório municipal, galerias de águas pluviais, redes de esgoto, escolas, creches e pavimentou dezenas de ruas e avenidas. Foi na gestão dele que houve a construção da pista interna de caminhada na circular da Lagoa Maior. Na gestão da prefeita Simone Tebet, o ex-prefeito foi homenageado com a designação de seu nome  Balneário Municipal Miguel Jorge Tabox, local dedicado ao lazer de moradores, esportes aquáticos e à preservação da natureza.

O projeto de Simone teve por objetivo, aproveitar melhor o local e fomentar a exploração turística.

MORTE

Em 8 de janeiro  de 2001, o ex-prefeito foi assassinado  com cinco tiros dentro de um carro, no bairro Vila Nova, em Três Lagoas. Tabox tinha 69 anos na época. O crime foi arquitetado pela sua esposa na época, Milena Martins Tabox, pelo amante dela, Alessandro Vaz Lino, e seu pai o advogado José Batista Ferreira Lima, executado em maio de 2002, em frente à casa onde morava, no bairro Santos Dumont. 

O crime que teve repercussão nacional com uma simulação no programa “Linha Direta”, da Rede Globo, em outubro de 2001, teria sido motivado por interesse na venda de uma casa de Miguel, no bairro Nossa Senhora Aparecida, doada à mulher com usufruto dele Miguel. O trio, que planejava vender o imóvel para ficar com o dinheiro, contratou pistoleiros para executar Tabox.

Conforme noticiado pelo JP, a polícia agiu rápido e esclareceu o crime dias após o ocorrido. O jornal também divulgou a condenação dos envolvidos na morte de Miguel Tabox. 


Ana Cristina Santos