No Brasil

Três Lagoas e Ribas têm as maiores áreas plantadas de eucalipto do país

Três Lagoas ocupa a segunda posição no ranking nacional, com valor de produção florestal de R$ 247,6 milhões

17/10/2020 08:30


As maiores áreas plantadas de eucalipto de Mato Grosso do Sul e do Brasil concentraram-se em Três Lagoas, com 263.690 hectares (23,4% da área plantada de eucalipto do Estado), e em Ribas do Rio Pardo, com 213.931 hectares (19%). Em terceiro lugar no ranking nacional, aparece a cidade de Telêmaco Borba, no Paraná, com 159 mil hectares de área plantada.

As florestas de eucalipto plantadas em Três Lagoas em decorrência da demanda das três unidades de celulose instaladas no município, faz com que Mato Grosso do Sul  se torne líder em produção de madeira para papel e celulose. Os dados foram divulgados nesta semana pela IBGE, e são referentes aos resultados da Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura - PEVS 2019.

A área de floresta plantada em Mato Grosso do Sul soma 1,13 milhão de hectares. A produção de eucalipto para a indústria de papel e celulose ocupa 1,12 milhão de hectares, sendo a 2ª maior área plantada do país, atrás somente de Minas Gerais, com área de 1,98 milhão de hectares. A área plantada de Pinus é de 3,7 hectares.

Dentre os 10 municípios com maior área de florestas plantadas no Brasil, cinco estão no Mato Grosso do Sul: Três Lagoas, Ribas do Rio Pardo, Água Clara (131,9 mil hectares), Brasilândia (128,6 mil ha) e Selvíria (87,8 mil ha). Quatro municípios sul-mato-grossenses tiveram destaque entre os 20 municípios do Brasil com maiores valores de produção florestal. Três Lagoas ocupou a segunda posição no ranking nacional, com valor de produção florestal de R$ 247,6 milhões, ficando atrás apenas de João Pinheiro (MG), que apresentou o maior valor de produção da silvicultura (R$ 263,7 milhões) em 2019. O município mineiro também é líder nacional na produção de carvão de eucalipto, que cresceu 7,4% em quantidade em relação a 2018. 

Três Lagoas  gerou o segundo maior valor da silvicultura e destacou-se na produção de madeira em tora de eucalipto para papel e celulose, que teve retração de 11,0%, no ano. Ainda no ranking nacional, Ribas do Rio Pardo ficou em sétimo lugar, com R$ 207,5 milhões, Água Clara ficou em décimo nono lugar, com R$ 112,3 milhões, e Selvíria, em vigésimo, com R$ 109,3milhões de valor de produção florestal.

Mato Grosso do Sul, destaque no ano anterior, permanece como o maior produtor nacional de madeira em tora para papel e celulose, porém com queda de 16,6% na quantidade que, em 2019, foi de 14,6 milhões de metros cúbicos. O valor da produção foi registrado em R$ 760,3 milhões com a produção de madeira destinada à indústria de papel e celulose. Este valor representa uma queda de 20% em relação a 2018. 

A ampliação da capacidade de processamento do parque industrial do Estado, um dos mais concentrados do mundo relativamente à celulose, propiciou a crescente produção de madeira de eucalipto na região, cujo volume havia aumentado significativamente até então. A retração provavelmente foi reflexo do que ocorreu em todo o setor, devido aos baixos preços da celulose em 2019.


Ana Cristina Santos