Três Lagoas

Técnicos ganham duas vezes mais que não qualificados

Pesquisa do Senai apontou aumento de 24% na renda dos formados que ingressaram no mercado

30/03/2013 13:00


Um estudo realizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) apontou que os profissionais formados em cursos técnicos obtiveram, após um ano de ingresso no mercado de trabalho, um incremento na renda salarial de 24%. A pesquisa, divulgada nesta semana, acompanhou metade dos quase 40 mil formados em 2010. 

De acordo com o Senai, 72% dos ex-alunos dos cursos técnicos conseguem trabalho no primeiro ano depois de formado e alcançam uma renda média de 2,6 salários mínimos, o que, na época da realização do estudo, equivalia a R$ 1,6 mil.  

Entretanto, em Três Lagoas, esse índice é ainda maior. Segundo o diretor do Senai de Três Lagoas, Adevaldo Vasconcelos, hoje, um técnico formado ganha em média 2,8 salários mínimos, o que equivale a R$ 1.898 mil. “A média é 60% maior do que um trabalhador não qualificado”, disse.

Dados do Ministério do Trabalho e Emprego apontam que, em média, o setor industrial, hoje o maior contratante de Três Lagoas, paga uma média salarial de R$ 1,6 mil – incluindo todos os setores. No entanto, sabe-se que, na linha de produção, a remuneração vai de R$ 700 a até R$ 1 mil. 

 Além disso, o ingresso no mercado de trabalho também é superior no município, equiparado a outras regiões do Brasil. Com o desenvolvimento industrial acelerado, a vinda de grandes indústrias e, consequentemente, o apagão da mão de obra qualificada, muitas empresas estão buscando garantir a contratação dos profissionais logo após o encerramento dos cursos. Essa corrida por profissionais qualificados fez com que a média de contratação de tecnólogos no município chegasse a 80%, sendo que a metade desses profissionais ingressou no mercado de trabalho logo após a conclusão do curso. Apenas a Bahia, segundo o estudo, aproxima-se desse resultado, com uma inserção no mercado de trabalho de 77% dos alunos recém-formados. 

Por essa média, é possível constatar que, dos 417 alunos formados nos últimos três anos, 337 estão trabalhando e 208 deles conseguiram um emprego logo após a conclusão do curso. Segundo a pesquisa, tais resultados mostram que o curso técnico continua sendo uma das melhores portas de entrada no mercado de trabalho. “A [nossa] região se desenvolveu industrialmente. Hoje, é um celeiro de indústrias de porte internacional e necessita de mão de obra qualificada, e o SENAI está inserido nesse contexto a fim de oferecer essas oportunidades. Vale ressaltar que investir em conhecimento e qualificação é primordial, pois o sucesso chega para quem está sempre disposto a encarar as mudanças”, disse.

Adevaldo explicou que 30% dos já formados estão retornando à sala de aula para buscar novas qualificações.

FAIXA ETÁRIA
Desde que implantado na cidade, mais de 18 mil pessoas foram qualificadas no Senai. A maioria dos alunos do Senai que faz cursos técnicos possui de 16 (cursos de aprendizes) a 28 anos. Já na área de construção civil, a faixa etária é de 45 a 50 anos – qualificação esta que já alterou a média salarial da região.

Atualmente, os cursos mais procurados pelos três-lagoenses são os de técnico em mecânica, automação e química. Em contrapartida, a área que mais cresce e que mais necessita de mão de obra é a construção civil. Há também solicitações para cursos de carpinteiro, armador, pedreiro e eletricista predial.

Redação