Brasil

Estudo mostra que fumante custa US$ 6 mil mais ao empregador

"Os funcionários que fumam impõem sobrecustos significativos para os empregadores privados", revelaram os cientistas

04/06/2013 17:45


Um fumante custa, em média, cerca de US$ 6 mil a mais por ano ao seu empregador em comparação com um não fumante, revelou um estudo americano que será publicado esta terça-feira (4/6).

Os custos variam entre US$ 2.885 e mais de US$ 10.125 dependendo da área de atividade e do cargo ocupado, segundo a pesquisa, realizada por uma equipe de cientistas da Universidade do Estado de Ohio, com funcionários do setor privado que trabalham em diferentes setores.

No topo estão os custos dos intervalos para fumar, que representam deixar de ganhar, em média, US$ 3.077 por funcionário fumante ao ano, enquanto que o absenteísmo é estimado em US$ 517 e o presenteísmo (o funcionário está presente, mas sua produtividade é menor devido à dependência em nicotina) a US$ 462.

O sobrecusto em termos de despesas com a saúde - para os empregadores com seguro próprio - se situam em US$ 2.056.

"Os funcionários que fumam impõem sobrecustos significativos para os empregadores privados", revelaram os cientistas, precisando que seu estudo destina-se a ajudar "a tomar decisões no que diz respeito à sua política sobre o tabaco".

Algumas empresas americanas já adotaram medidas, como impor aos fumantes uma cota extra para seu seguro de saúde. Outras simplesmente se recusam contratá-los ou licenciam os funcionários que não param de fumar após um determinado período.

O estudo foi publicado pela revista Tobacco Control, que faz parte do grupo do British Medical journal (BMJ).

Os fumantes atualmente constituem um quinto da população adulta americana e o tabagismo seria a causa de 443 mil mortes ao ano nos Estados Unidos.

Redação