Editorial

Hospital: Um novo discurso vem aí

Nos próximos dias Azambuja deve retornar à região para anunciar o resultado da licitação, um novo planejamento da obra e é claro, recolocar o projeto

04/02/2017 11:58


Se o governo do estado decidir re-relançar a obra do hospital Regional de Três Lagoas, o custo total do projeto que chegou a ser orçado inicialmente em R$ 68 milhões pode cair para R$ 56,4 milhões, caso seja homologado. Pelo menos essa foi a proposta apresentada  por uma das empresas participantes do processo licitatório realizado recentemente lá em Campo Grande. O projeto que já vem caindo no descrédito popular, já poderia inclusive estar sendo concluído se as obras tivessem sido iniciadas após o primeiro anúncio de lançamento ocorrido ainda em 2014. O governador Reinaldo Azambuja assumiu o governo, mas não assumiu o projeto. Talvez por entender que o Hospital Regional de Três Lagoas carregasse a marca do governo passado. Faltou entender que obras são públicas e não carregam consigo marcas de governos.

Em dois anos de mandato, o atual governador optou por não dar sequencia no projeto do Regional que acabou ganhando forma apenas no papel e nos discursos políticos. Esse atraso vem gerando sérios problemas à saúde pública dos municípios da costa leste. De acordo com informações da secretaria de saúde de Três Lagoas, atualmente existe uma fila de espera que já supera 15 mil procedimentos médicos. Isso significa que milhares de homens e mulheres não conseguem fazer exames, consultas e muito menos cirurgias. Assim, pacientes acabam morrendo na fila de espera sem ter a chance de iniciar um tratamento.

Nos próximos dias Azambuja deve retornar à região para anunciar o resultado da licitação, um novo planejamento da obra e é claro, recolocar o projeto em destaque na imprensa. Apesar do desejo coletivo de continuar acreditando, o que muita gente começa a se perguntar agora é se realmente o governo vai assumir o compromisso de iniciar e terminar o tão desejado Hospital. Essa incerteza tem uma razão dentro do próprio município. O governo do estado ainda não conseguiu inaugurar o prédio da UNEI de Três Lagoas. Isso depois de dois anos da obra finalizada. Motivo: faltam equipamentos, móveis e por causa do abandono, a estrutura física vai precisar passar por uma reforma antes mesmo de entrar em operação. O custo? Mais R$ 600 mil. Enquanto isso, o governo paga por mês R$ 10 mil de aluguel do prédio onde funciona atualmente a entidade que cuida dos menores infratores.

O governador deve visitar a costa leste na próxima semana. Se vai trazer novidades ainda não se sabe exatamente, mas seria coerente que antes de lançar uma obra nova, se preocupe em concluir as que já consumiram muito dinheiro público. Se fizer isso, talvez consiga demonstrar que realmente é um governo que age com planejamento e visão estratégica. Caso contrário, poderá passar a ideia equivocada de que começa a se preparar para a disputa eleitoral de 2018. Os municípios da região enfrentam sérios problemas na área da saúde e a construção de um hospital é necessária, urgente e já deveria ter ganhado prioridade. O governo do estado precisa compreender de uma vez por todas que por aqui o desenvolvimento caminha a passos largos.


Redação