Prazo

Lancheiros pedem prorrogação para permanecer em espaços públicos

Comerciantes querem prorrogação do TAC para continuar trabalhando em quiosques

05/04/2017 09:25


Os vendedores de lanche de Três Lagoas querem a prorrogação do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que garante a permanência dos quiosques nas áreas públicas da cidade. Nesta terça-feira (4), representantes da Associação dos Lancheiros e o vereador Gilmar Garcia Tosta (PT) se reuniram com o prefeito Ângelo Guerreiro (PSDB) para solicitar a prorrogação do prazo.

 O TAC, que encerra em setembro deste ano, foi assinado em 2007, pelos lancheiros, prefeitura e Ministério Público Estadual pelo prazo de dez anos. O documento foi à alternativa encontrada na época devido a uma ação civil pública movida pelo Ministério Público que pedia a remoção dos lancheiros dos espaços públicos.

Dois quiosques em frente à Lagoa já foram demolidos em anos anteriores com o falecimento dos proprietários. O documento não prevê o repasse dos locais para familiares ou terceiros.

O vereador Gilmar Garcia Tosta (PSB) disse que a intenção é encontrar alternativa. “O prefeito não tem culpa desse TAC, mas temos buscar uma solução. São 11 famílias que trabalham em quiosques e não podem ficar desempregadas. Sabemos que existem outros problemas sociais, mas precisamos resolver esse”, disse o vereador.

De acordo com o parlamentar, o prefeito informou que existe um projeto para a instalação de uma praça de alimentação, porém, enquanto isso não se concretize, disse que é preciso “abrigar esses trabalhadores”.

LANCHODROMO

Um espaço nobre em frente à Lagoa Maior de Três Lagoas pode dar lugar a um “lanchodromo”- espaço específico para a comercialização de lanches. O local funcionaria por meio de uma parceria público-privada e poderia por fim ao impasse na ocupação dos canteiros públicos da cidade por parte dos vendedores de lanche.


Representantes da Associação dos Lancheiros em reunião com prefeito, secretários e vereador 


Ana Cristina Santos