Rádios On-line

BR-158 segue como rota do cigarro contrabandeado

Apreensões indicam Bolsão como corredor do contrabando de cigarro procedente do Paraguai

22 FEV 2013 - 07h:44Por Divulgação

A BR-158 segue como o principal corredor do contrabando de cigarro destinado aos mercados de Minas Gerais e Goiás. As apreensões indicam o aumento nas duas modalidades: grandes carregamentos e contrabando formiga, realizado em veículos de passeio e picapes. Nesta semana, houve uma pequena apreensão em Bataguassu e uma grande em Paranaíba. Nos dois casos, a mercadoria era destinada ao mercado mineiro.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), na quarta-feira foi barrado um carregamento de 50 mil pacotes no km 80 de BR-158, em Paranaíba. Uma carreta com semirreboques acoplados recebeu ordem de parada, mas só estacionou distante da barreira, levantando de imediato a suspeita dos policiais. O condutor saiu pela porta do passageiro e se embrenhou na mata às margens da rodovia. Ele não foi localizado. Após vistorias, foi localizado o contrabando.

Em razão da quantidade, a carreta foi trazida a Três Lagoas e encaminhada à Polícia Federal. Os policiais constataram que o cigarro saiu do Paraguai e teria como destino a cidade de Uberlândia (MG).

Em ação posterior, a PRF deteve um homem suspeito de realizar o serviço de “batedor” para o bitrem. Ele foi trazido para a Polícia Federal de Três Lagoas. A PRF apurou que ele usava um rádio sem autorização da Anatel, uma exigência da Lei Geral de Telecomunicação. A detenção ocorreu quase ao mesmo tempo.

O suposto batedor foi localizado em um posto de gasolina, após estacionar um Fiat Strada sob atitude suspeita. Ele demonstrou nervosismo ao ser questionado sobre os motivos da viagem, despertando a atenção dos policiais. Na vistoria ao veículo, foi encontrado no painel, sob o toca CD, um rádio comunicador. Logo ele confessou estar monitorando a estrada para a passagem do bitrem. Ele ainda revelou que outra pessoa fazia o mesmo trabalho, indicando as características do veículo.

VICINAIS
Além dos trechos da MS-385 entre Bataguassu e Brasilândia e da BR-158 até Três Lagoas em direção a Paranaíba e Cassilândia, as estradas vicinais, de domínio do Estado, são as rotas preferidas dos contrabandistas de cigarro para distribuição do produto no interior de São Paulo e Minas. Baseada nas apreensões feitas nos últimos 12 meses, a polícia descobriu que Brasilândia tornou-se uma das principais conexões do contrabando de cigarro, em razão de sua capilaridade. Há muitas estradas vicinais, devido aos assentamentos rurais, que facilitam o uso da rota. A preferência dos contrabandistas por esse corredor, em razão das ligações com São Paulo, por meio das pontes sobre o rio Paraná, começou a ser percebida em maio do ano passado.

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13