Rádios On-line

Entenda a crise no Mali

A localização do Mali faz com que o país se transforme em área estratégica tanto para extremistas quanto para forças oficiais, atingindo todas as nações próximas

21 JAN 2013 - 09h:02Por Redação

O Mali, na África, faz fronteira com oito países e está entre os mais pobres da região. Dos cerca de 12 milhões de habitantes, mais da metade vive abaixo da linha da pobreza. Incertezas políticas e histórico de golpes de Estado fazem parte do cotidiano do Mali. Nos últimos anos, a instabilidade aumentou com a ação de grupos extremistas islâmicos que tentam combater o governo do país. No próximo dia 29, a União Africana (que reúne 42 nações) debate a crise. A localização do Mali faz com que o país se transforme em área estratégica tanto para extremistas quanto para forças oficiais, atingindo todas as nações próximas.

Os grupos extremistas islâmicos, que representam três comandos distintos, ocupam o Norte do Mali, enquanto o governo tem o controle do Sul. A população se queixa da insegurança e das pressões por parte dos extremistas que adotam a sharia, a aplicação dos preceitos islâmicos no cotidiano.

Os grupos extremistas que atuam no Norte do Mali são a Al Qaeda do Magrebe Islâmico (Aqmi), o Ansar Dine Movimento para a Unidade e a Jihad no Oeste Africano (Mujao). Em decorrência dos confrontos entre os extremistas e as forças do governo, o número de refugiados aumenta diariamente, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

Um boletim da semana passada informou que o número de refugiados do Mali para os países vizinhos em busca de abrigo e segurança chega a 150 mil. Mas o Escritório de Coordenação dos Assuntos Humanitários (Ocha) acrescentou que há cerca de 230 mil cidadãos deslocados dentro do Mali.

O Mali é o sétimo maior país do Continente Africano em extensão e um dos mais populosos da região, cercado por sete países - Argélia, Níger, Mauritânia e Senegal, além da Costa do Marfim, Guiné e de Burkina Faso.

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13