Rádios On-line

Magistrado em MS diz que Estado é responsável por Maníaco da Cruz

Rapaz cumpriu medida socioeducativa pela morte de três pessoas.

5 MAR 2013 - 09h:39Por Redação

O desembargador Júlio Roberto Siqueira, relator do processo que determinou a internação do jovem conhecido como Maníaco da Cruz, disse nesta segunda-feira (4) ao G1 que não existe fato criminal que possa fazer o rapaz voltar a uma Unidade Educaional de Internação (Unei).

Agentes da Unei em Ponta Porã, a 346 km de Campo Grande, perceberam a fuga do rapaz na manhã de domingo (3). Ele foi visto pela última vez no sábado (2), por volta das 18h (horário de MS). Segundo o desembargador, caso ele seja encontrado, deve ser encaminhado para uma clínica psiquiátrica, conforme a determinação judicial dada no dia 1º de março do ano passado.

A fuga, segundo Siqueira, não o caracteriza como procurado. “Talvez possa ser enquadrado por dano ao patrimônio, caso tenha serrado uma cela ou destruído a janela”, explicou. “Essa situação é um problema do Estado, pois a a determinação judicial [internação] foi no ano passado”.

Mortes

Aos 16 anos, o rapaz matou três pessoas na cidade de Rio Brilhante, a 160 km da capital do estado. Investigações apontaram que as vítimas eram obrigadas a responder a uma série de perguntas sobre comportamento sexual. O jovem então assassinava aquelas que ele julgava impuras. Após o crime, os corpos eram colocados em sinal de crucificação.

Na decisão de 2012, os desembargadores avaliaram o risco para a sociedade - e para o próprio jovem - caso ele fosse liberado.Caso o governo não tivesse uma instituição adequada para abrigá-lo no estado, deveria pagar pela sua internação em uma clínica particular.

Em laudo usado para embasar a determinação de internação, consta que o rapaz apresenta distúrbios de conduta, com traços esquizotípicos, mas que isso não significa que ele seja portador de esquizofrenia.

O exame anexado ao processo comparou o comportamento dele em 2012 com o que foi apresentado em 2008, quando ele tinha 16 anos, e havia sido apreendido. Entre os itens que persistem na personalidade do jovem conhecido como Maníaco da Cruz, constam superficialidade, falsidade, ausência de culpa ou empatia com o outro, impulsividade, controle de impulso deficiente, respostas bizarras, manipulação, ausência de culpa e compaixão, necessidade de ser respeitado e baixa intolerância com falha de outras pessoas.

Fuga
As circunstâncias da fuga serão apuradas em procedimento administrativo interno, segundo o superintendente de Assistência Socioeducativa, Hilton Villasanti.

Nesta segunda-feira (4), Villasanti disse que o rapaz já havia cumprido mais que os três anos de medida socioeducativa e já havia completado 21 anos, situações que excluem a possibilidade de permanência em uma Unei. Em Ponta Porã, segundo ele, tem 33 internos, que ficam internados em locais semelhantes a pequenas casas. “Segundo os moldes do Sinase [Sistema Nacional Sócioeducativo], a Unei não tem celas”. O superintendente diz que os jovens tem liberdade para circular nas demais dependências. “Os aspectos de segurança não são prioridades em unidades como esta”.

Villasanti disse que o rapaz nunca tentou fugir antes e o comportamento era normal. Durante o período de internação, ele respondeu ao tratamento psquiátrico.

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13