Rádios On-line
CENÁRIO RCN

Corretor de imóveis acredita que 2018 será ano promissor

Claudio destaca que o poder público tem um peso muito grande em alavancar a economia da cidade

23 FEV 2018 - 16h:28Por Talita Matsushita

O Grupo RCN de Comunicação apresentou, em janeiro, a série de reportagens “Cenário RCN - desafios e perspectivas 2018”. Em Paranaíba, a série teve 12 entrevistados, entre empresários, representantes de entidades e personalidades políticas. O foco das entrevistas foi a economia no município e da Costa Leste para este ano. Para os entrevistados é necessário mudança no quadro político do país para melhora da economia.

Claudio Gilberto Flores, corretor de imóveis,  que presta serviços para a Vetor Empreendimentos, analisa que 2017 foi um ano marcado por desavenças políticas e isso criou um clima de instabilidade, causando desemprego cima da média, e Paranaíba está dentro deste contexto, sofrendo as consequências dos descaminhos dos políticos.

“Para este ano vamos começar a ter uma realidade diferente, porque existem algumas alguns projetos de empresas que querem se instalar aqui, e tem também o teste com amendoim e soja, que pode abrir uma veia importante de engajamento como um todo e trazer benefício para a sociedade”, disse.

Claudio destaca que o poder público tem um peso muito grande em alavancar a economia da cidade, porém a sociedade civil pode desenvolver um trabalho e ajudar com que a cidade avance. “Pode ser o interesse das pessoas em buscar conhecimento, pois as empresas vão precisar de pessoas capacitadas para trabalhar”, analisou.

O corretor ainda falou sobre os projetos para o ano de 2018, que precisam que outros fatores aconteçam para lançar no mercado em momentos estratégicos.

Com relação a mudanças em financiamento de imóveis, Claudio destaca que mesmo com uma dificuldade maior para obter linha de crédito, o saldo é positivo, pois o déficit habitacional no Brasil é de pelo menos sete milhões de unidades, em Paranaíba o número era de no mínimo 900, no ano de 2010 e hoje estima-se que a demanda seja maior. 

Deixe seu Comentário