Rádios On-line
REAJUSTE SALARIAL

Militares de Paranaíba vão aderir ao aquartelamento

A paralisação terá duração de 24 horas e segue até a manhã de sábado (1º de setembro)

30 AGO 2017 - 15h:25Por Talita Matsushita

Policiais militares e bombeiros decidiram em assembleia na terça-feira (29) pelo aquartelamento na próxima sexta-feira (1º). Em Paranaíba (MS) haverá ações sociais, como doação de sangue e apenas uma equipe ficará disponível para atender as emergências.

Conforme o presidente da Associação de Cabos e Soldados em Paranaíba, sargento Marco Antonio Benites, o aquartelamento é a busca por melhorias salariais, o segundo em um período de quatro anos.

A paralisação terá duração de 24 horas e segue até a manhã de sábado (1º de setembro). O objetivo segundo o presidente da instituição, é mostrar ao Governo do Estado a insatisfação da tropa com a valorização desigual dada a policiais civis e militares.

“Vamos parar por 24 horas. A princípio, só por um dia, pois temos que proteger a sociedade e não podemos deixá-la a mercê da vagabundagem. Quero que o Governo nos chame amanhã e dê tratamento igual. Na outra semana, teremos novas deliberações”, afirmou. Paralisações mais longas na semana seguinte não estão descartadas.

O percentual de 7% solicitado pela categoria não foi aceito e a contraproposta ficou nos moldes iniciais. Benites explica que a proposta do governador Reinaldo Azambuja não é coerente com trabalho que a classe tem desempenhado.

“O governo não nos atendeu e está tratando os policiais e bombeiros com muita falta de respeito. Queremos tratamento igual ao que a Polícia Civil recebeu”, disse.

Reajuste salarial proposto pelo governo seria de 5,49% para soldados, 5,01% de cabos, 3,82% para terceiro-sargento, 3,69% segundo-sargento, 3,55% primeiro-sargento e 3,48% para subtenente. Oficiais seguiriam com o reajuste anteriormente proposto, de 2,94%.

Deixe seu Comentário