Rádios On-line
RISCOS

Cuidados com lesões em atividades físicas ‘puxadas’

Realizar alongamentos antes e depois dos exercícios pode evitar possíveis consequências

12 SET 2016 - 17h:35Por Danielle Leduc

As lesões mais comuns dos esportistas amadores são as musculares de membros inferiores, de tendões e ósseas. Estiramentos, rupturas, tendinites e até fraturas por “over use” (repetição de movimento) também acontecem bastante. Mas, existe uma forma de evitar esses problemas?

O aspecto da prevenção é muito importante, segundo o ortopedista e especialista em cirurgia da coluna vertebral, Maurício Marteleto. “É essencial fazer um bom preparo físico, tanto do ponto de vista cardiovascular quanto do músculo esquelético, além de sempre alongar antes e depois do treino”, orienta o especialista. 

Um programa de treinamento compatível com o perfil físico de cada pessoa também é essencial, além do fortalecimento de alguns grupos musculares. “Para o esportista amador o ideal é se juntar a um grupo que tenha um preparador físico profissional. Existem várias empresas que prestam esse tipo de orientação e preparam as pessoas para provas de corrida de rua, por exemplo”, indica Marteleto.

 Segundo o ortopedista, o calçado também deve ser a preocupação daqueles que querem prevenir lesões. O ideal é investir parte do orçamento para comprar um bom tênis que reduza o impacto. Além disso, devemos lembrar que todos os calçados têm vida útil. “No caso de esportistas que treinam todos os dias esse período é de dois a três meses. Não mais do que isso, pois o tênis perde a capacidade de absorver o impacto e pode causar lesões”, explica o ortopedista.

Em caso de dor durante a caminhada, além de exames específicos de imagem, o ortopedista analisa a marcha do paciente e observa o desgaste na sola do calçado para identificar possíveis alterações no caminhar. 

“A pisada correta gasta mais a porção lateral do calçado. Desgastes na porção interna da sola, por exemplo, é indicativo de pés planos e o médico poderá avaliar a necessidade de tratamento. Outras vezes, alterações na pisada podem sinalizar problemas na coluna. Se não tratar a causa, a lesão pode se tornar mais séria”, diz o especialista. 

 

Deixe seu Comentário