Rádios On-line

Ambição global faz de Três Lagoas capital mundial da celulose

O município já alimenta o promissor mercado global de papel com 3 milhões de toneladas de celulose por ano

26 MAR 2013 - 09h:44Por Danilo Fiuza/JP

Com duas gigantes na fabricação de celulose, Fibria e Eldorado, Três Lagoas ganhou o status de capital mundial da celulose. O município, que empurra a expansão da base florestal por toda a costa Leste de Mato Grosso do Sul, já alimenta o promissor mercado global de papel com 3 milhões de toneladas de celulose por ano. São as duas maiores unidades em linha única de processamento da polpa de fibra curta do eucalipto para atender aos mercados de papel sanitário – toalhas, guardanapos – e, no prazo de dois anos, aos setores editorial e gráfico, segundo anúncio da International Paper, principal cliente da Fibria.

A fábrica de celulose da Eldorado Brasil, em operação desde novembro de 2012 e inaugurada oficialmente em 12/12/2012, atinge já neste mês de abril a capacidade total de produção de 1,5 milhão de toneladas por ano, segundo o CEO José Carlos Grubisich em entrevista concedida neste mês em Campo Grande. Todas as metas da empresa foram atingidas nos primeiro trimestre de atividade.  

“Já atingimos 70% da nossa capacidade nominal. Neste mês, devemos chegar às taxas de 80% e 90% e em abril estaremos plenos”, declarou, confirmando as previsões que havia feito em dezembro, de que a companhia atingiria no primeiro ano de operação plena faturamento de R$ 2 bilhões, que corresponde a um terço do investimento total.

Foram investidos R$ 6,2 bilhões para a instalação da Eldorado, dos quais R$ 800 milhões em logística, R$ 900 milhões em florestas e R$ 4,2 bilhões na construção. No processo de implantação do complexo industrial, foram gerados 2,5 mil empregos diretos e indiretos. Dos R$ 6,2 bilhões orçados, no entanto, a companhia conseguiu reduzir os custos em R$ 600 milhões.

BASE FLORESTAL
A ambição global da Eldorado leva em conta, segundo Grusibich, o investimento em tecnologia para garantir a melhor matéria-prima. Ele lembra que nos anos de 1970 a produção média era de 17 toneladas cúbicas de celulose por hectare, mas hoje já é possível atingir 40 toneladas. A explicação para evolução é o investimento em estudo, desenvolvimento e tecnologia aplicados no setor.

A ideia inicial de destinar 90% da produção ao mercado externo teve uma pequena variação. O setor de papel é tão promissor que o mercado interno começa a absorver mais celulose produzida em Três Lagoas. De uma projeção de 7%, a perspectiva é de destinação de 12% da celulose ao mercado brasileiro. A maior parte vai para a Ásia, seguida da Europa e América do Norte.

Deixe seu Comentário

RCN LIVE EUGENIO MUSSAK

TVC Canal 13