Rádios On-line
PROTESTO

Caminhoneiros continuam paralisação em Três Lagoas e mantêm 2 pontos bloqueados

Grupo não concorda com o acordo feito entre Governo Federal e entidades da categoria, na noite de quinta (24)

25 MAI 2018 - 08h:04Por Kelly Martins

Mesmo após o anúncio feito pelo Governo Federal de um acordo feito com os caminhoneiros, na noite desta quinta-feira (24), em Brasília, para suspender a paralisação por 15 dias, a categoria segue mobilizada em Três Lagoas nesta sexta-feira (25). A manifestação é contra o preço do diesel.

Caminhoneiros autônomos mantêm dois pontos de interdição, no município, e alegam que o encontro entre o governo e entidades da categoria “não comtempla” e não atende às reivindicações. Com veículos estacionados às margens da BR-262, na saída de Três Lagoas para São Paulo, o grupo impede que caminhões e carretas saiam do local.

É permitido apenas carros, motos, ônibus, ambulâncias. Nesta sexta, o protesto completa quatro no trecho da rodovia. Ao menos 300 caminhões estão parados na avenida Ranulpho Marques Leal, perímetro urbano da BR-262.

Na tarde de quinta, outro grupo de manifestantes bloqueou trecho da BR-158, que dá acesso ao município de Brasilândia. Lá, caminhões e carretas também são impedidos de trafegar. Um dos líderes do protesto, em Três Lagoas, declarou que a paralisação seguirá por tempo indeterminado.

“Não vamos parar agora. Foi uma vergonha esse encontro com o governo federal. Nosso sindicato nem foi recebido. Não houve proposta nenhuma. Estamos aguardando alguma deliberação de Brasília para ver se o protesto vai encerrar ou não”, declarou o motorista Antônio Serafim.

Apoio

Os moradores de Três Lagoas têm demonstrado apoio aos caminhoneiros. Várias pessoas que passam pelo trecho estão doando alimentos, água e refrigerantes para os manifestantes. A categoria montou uma tenda improvisada, na rotatória que fica na BR-262 e que também dá acesso a BR-158.

Pacotes de arroz, feijão, sal, entre outros alimentos, estão estocados na tenda. Os motoristas fazem até mesmo churrasco, como forma de protesto, após doação de quilos de carnes de comerciantes.

Deixe seu Comentário