Rádios On-line
8030
DECISÃO

Chilenos devem ‘bater o martelo’ e comprar Eldorado até agosto

Após auditoria nos ativos da Eldorado, companhia chilena deve anunciar compra da fábrica de celulose instalada em Três Lagoas

15 JUL 2017 - 07h:06Por Ana Cristina Santos

A venda da fábrica de celulose Eldorado Brasil, em Três Lagoas, pode se concretizar até o próximo mês, quando a companhia chilena Arauco deve concluir auditoria nos ativos da empresa controlada pela J&F Investimentos.

O levantamento que as empresas contratadas pela Arauco está fazendo deve durar até 3 de agosto, com chance de um desfecho antes desse prazo.  Até agora, a auditoria nos ativos da Eldorado identificou pelo menos R$ 500 milhões em passivos, segundo o Jornal Valor Econômico. 

O valor surpreendeu os chilenos, que estiveram recentemente em Três Lagoas visitando as instalações da fábrica controlada pela J&F Investimentos, e que deve ser vendida para pagar as dívidas do grupo.  Os passivos da Eldorado, no entanto, podem crescer e comprometer no preço final da empresa, que já recebeu oferta inicial de quase R$ 14 bilhões por parte da Arauco, que deve fincar bases no Brasil na produção de celulose, podendo garantir algum prêmio aos vendedores, diluindo parte desses valores. 

De acordo com o Valor Econômico, na área logística ferroviária, a companhia teria um passivo da ordem de R$ 200 milhões com duas empresas do setor, referente a transporte e venda de material rodante e vagões. Os chilenos também teriam relacionado uma ação de R$ 100 milhões movidos pela Fibria contra a companhia, por uso indevido de um clone de eucalipto por ela registrado.

 Além disso, a auditoria apontou ainda 1,2 mil ações de processos tributários e trabalhistas, provisionados de maneira adequada. O lucro da Eldorado seria inflado por créditos de Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), lançados no balanço com um prêmio de até 30% que não devem ser devolvidos pelo governo de Mato Grosso do Sul. 

Ainda segundo a reportagem, por isso, esse prêmio não pode ser lançado na conta do resultado operacional, na avaliação de fontes do setor. Para negociar o ativo com exclusividade com a J&F, a Arauco fez uma oferta inicial de quase R$ 14 bilhões - equivalente a dez vezes o múltiplo de Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização). Com isso, a concorrente chilena tirou do jogo, num primeiro momento, as brasileiras Fibria (grupo Votorantim e BNDES) e Suzano Papel e Celulose, que também já sinalizaram interesse na fábrica.

Há sete anos, a Arauco planeja fazer celulose no Estado. Em 2011, a companhia, que é uma das maiores empresas florestais do Hemisfério Sul, comprou um terreno em Inocência, a 149 quilômetros de Três Lagoas, para instalar uma fábrica de celulose. Na região, a Arauco já tem 40 mil hectares de florestas plantadas, mas os planos foram interrompidos pela proibição da compra de terras por estrangeiros no país. 

Entre 2013 e 2014, segundo fonte da indústria, o comando da chilena se reuniu com o empresário Mário Celso Lopes, idealizador da Eldorado e seu ex-acionista, para avaliar a potencial combinação de seus projetos de celulose no país. As conversas não prosperaram, mas os chilenos mantiveram-se firmes na proposta de ter uma fábrica no país. Ainda segundo o Valor Econômico, em determinado momento, a própria Eldorado teria feito uma oferta pela base florestal da Arauco na região, mas ela não se interessou. 

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13

Ver Todos os Programas da TVC
Dá Negócio
6651