Rádios On-line
SHOW DE PRÊMIOS TONHÃO
DATERRA QUER ALUGAR MOBILE

Clínica de Reabilitação está fechada há mais de um ano

Mesmo sem funcionar, Apae continua pagando aluguel do prédio

22 AGO 2012 - 08h:23Por Redação

A Clínica de Atendimento Ambulatorial e Reabilitação da Apae (CAARA), localizada na avenida Filinto Müller, em Três Lagoas, continua fechada desde a sua inauguração, em junho do ano passado. A entidade já gastou R$ 30 mil com o aluguel do prédio, que é de R$ 2 mil por mês, mesmo sem a clínica estar em funcionamento. O local está alugado desde maio de 2011.

 Entretanto, o valor gasto pela entidade foi bem maior, já que para reformar o prédio, a Apae investiu R$ 180 mil. O recurso gasto na reforma é abatido no preço do aluguel que custaria de R$ 5 a R$ 7 mil. Por isso, o valor pago atualmente é de R$ 2 mil. O governo do Estado também investiu R$ 52 mil na aquisição dos aparelhos para o centro que servirá de referência no tratamento de pessoas com deficiência e na recuperação de acidentados.

A princípio, a clínica não havia entrado em funcionamento por não estar habilitada pelo Ministério da Saúde. Contudo, agora, um novo fato surgiu: a extinção da portaria de nº 818 do próprio ministério, a qual regulamentava o credenciamento de instituições filantrópicas e que previa o repasse mensal de verba do governo federal para o funcionamento da clínica. Com isso, a Apae não contará mais com o recurso do Ministério da Saúde para aplicar no funcionamento do centro de reabilitação.

Segundo a diretoria da entidade, diante dessa situação, houve a necessidade de buscar parceria com as secretarias estadual e municipal de saúde para conseguir auxílio financeiro para o funcionamento da clínica. A Secretaria Estadual de Saúde precisa apresentar uma resposta sobre o assunto até o final deste mês.

CENTRO
De acordo com a Thaís Emiliana Sales da Silva, gerente de Políticas Públicas de Média e Alta Complexidade, da Secretaria Municipal de Saúde, a extinção da portaria, que ocorreu em junho deste ano, pegou todos de surpresa, pois a Apae já havia encaminhado todos os documentos necessários para conseguir a habilitação. Thaís explicou que entidades filantrópicas ficaram impedidas de obter esse tipo de credenciamento.

Para não perder toda a estrutura montada pela Apae, o município passou a pleitear um centro especializado de reabilitação tipo II. Entretanto, apenas o Estado poderia fazer o cadastro para pleitear recursos do governo federal para manter o funcionamento do centro. “Tem que ser obedecida certa quantidade de habitantes”, esclareceu Thaís.

O centro, de acordo com a coordenadora, terá um atendimento diferenciado em relação ao que era previsto na clínica. Thaís informou que será feito atendimento de reabilitação física e auditiva dos pacientes. “Esse centro é de extrema importância para Três Lagoas, pois não haverá mais a necessidade de encaminhar os pacientes, que sofrem algum trauma e que necessitam desse atendimento, a Campo Grande”, destacou.

O centro será regional e atenderá a pacientes de outros municípios, além dos próprios alunos da Apae. Em relação ao prazo para o funcionamento, ela disse que ainda não tem previsão, pois aguarda uma resposta da Secretaria Estadual de Saúde.

O valor previsto, inicialmente, para manter o atendimento diário do local foi de R$ 35 mil por mês, que seria utilizado para a manutenção da unidade e pagamento da equipe - composta por 15 profissionais, entre eles, fonoaudiólogo, psicólogo, fisioterapeuta e médico.

Deixe seu Comentário

Mailson Interna RCN

TVC Canal 13