Rádios On-line
POLêMICA

Com deputada de MS no comando, Frente Agropecuária quer adiar Funrural

Financiamento permite produtores parcelar dívida em até 176 vezes, mas muitos não reconhecem o débito

21 FEV 2018 - 14h:27Por Redação

A deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS) tomou posse na presidência da Frente Parlamentar da Agropecuária, na noite desta terça-feira (20), em Brasília. Ela vai comandar a maior bancada legislativa do Congresso Nacional, que reúne um total de 200 deputados e 41 senadores, ao longo de 2018.

Entre as primeiras medidas à frente da bancada da agropecuária, a deputada quer assegurar a prorrogação do prazo para adesão ao Programa de Regularização Tributária Rural (PRR), criado por meio da Medida Provisória 803/2017.

O objetivo é apresentar uma emenda parlamentar que amplie o limite para aderir ao programa de 28 de fevereiro para 29 de abril de 2018. A proposta será levada à reunião da comissão especial que analisa a MP na reunião prevista para esta quarta-feira (21) e já contaria com o aval do governo federal, segundo integrantes da frente.

Se a prorrogação do prazo for confirmada, os produtores rurais terão mais 60 dias para aderir ao programa, que prevê o pagamento imediato de uma alíquota de 2,5% do valor da dívida em até duas parcelas iguais, mensais e sucessivas. O restante do débito poderá ser parcelado em até 176 vezes, com mais 60 meses para quitação total, caso o montante ainda não tenha sido liquidado. (Informações da Agência Brasil)

Polêmica

Grande parte dos produtores rurais não reconhece a dívida. Isso porque a contribuição foi considerada inconstitucional em 2011 pelo Supremo Tribunal Federal, mas a Corte voltou atrás em março do ano passado. A decisão deixou produtores em dúvida, principalmente porque muitos conseguiram na Justiça o direito de não pagar a dívida. Uma das exigências para o desconto é desistir de qualquer ação judicial.  

Deixe seu Comentário