Rádios On-line
Caminhão de Prêmios Urna Interna
VIOLêNCIA

Crescem casos de abuso sexual contra crianças

Em 2017 foram registrados 80 crimes de abuso contra crianças em Três Lagoas

11 MAR 2018 - 07h:05Por Ana Cristina Santos

Os casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes, em Três Lagoas, registram aumento de 29% no ano passado, comparado ao mesmo período do ano anterior. Em 2017, o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) atendeu 80 crianças e adolescentes vítimas de abuso. Em 2016, foram 60 casos registrados, aumento de 29%.

Nos dois primeiros meses deste ano,  foram registrados mais 10 casos. Em janeiro seis, sendo um menino e cinco meninas. Em fevereiro, houve quatro casos de abusos contra meninas.  A maioria das vítimas tem de 7 a 12 anos. 

No ano passado, 35 crianças e adolescentes na faixa etária de 7 a 12 anos foram abusadas sexualmente em Três Lagoas. Depois estão adolescentes de 13 a 17 anos, com 29 casos no ano passado. De 0 a 6 anos foram 16 casos em 2017.

Das 80 crianças e adolescentes vítimas de abuso no ano passado, 60 eram meninas e 20 meninos.

De acordo o diretor do Departamento de Proteção Social da Secretaria de Assistência Social, Luiz Fernando Tombeli Fochi, a maioria dos casos ocorre dentro de casa, ou com alguém da família.
Para ele, o índice de abuso sexual é alto. “Comparando os dados, a gente percebe que os casos aumentam a cada ano. Isso não é considerado ruim, porque mostra que as pessoas estão criando coragem de denunciar.

Antes, os casos ficavam escondidos embaixo do tapete, agora não, denunciam. Isso é reflexo também das ações, das campanhas de orientações que são feitas”, destacou.

A “porta de entrada” para descobrir os casos é o Conselho Tutelar, segundo Luiz Fernando, além de denuncias feitas por meio do serviço disque 100 - número exclusivo, criado pela Secretaria de Direitos Humanos. “As pessoas fazem denúncias anônimas”, frisou.

O município dispõe de duas equipes para atender vítimas e famílias, e que todos os casos são encaminhados ao Poder Judiciário.

Em alguns casos, as vítimas são levadas para unidades de acolhimento. Até o mês passado, segundo a Promotoria da Infância e Juventude, seis crianças que sofreram abusos estavam  em abrigos por não terem recebido proteção das famílias. Algumas porque ficaram do lado do agressor ou não quiseram se responsabilizar pelo filho.

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13