Definir Três Lagoas como sua cidade padrão?

Sim Não
Rádios On-line
8362
Prefeitura Semana do Trânsito
SEGURANÇA MÉDIA

Detentos de penitenciária confeccionam uniformes para escolas

Prefeitura de Três Lagoas ainda não entregou todos os uniformes para as escolas públicas

10 JUL 2017 - 12h:11Por Redação

Entre agulhas, tecidos e linhas, reeducandos da Penitenciária de Segurança Média de Três Lagoas (PTL) estão trabalhando a todo vapor para entregarem novos uniformes para a Rede Municipal de Ensino. O trabalho faz parte de um convênio estabelecido entre a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), a ONG Artaban e a Prefeitura. De acordo com a prefeitura, ainda faltam alguns uniformes para serem entregues aos alunos. 

Na oficina de costura do presídio, instalada pela organização não-governamental, há 15 detentos se dedicam a seis horas por dia, cortando, costurando e cuidando dos acabamentos dos uniformes. Os trabalhos iniciaram há pouco mais de um mês, com a meta de atingirem 15 mil peças prontas, entre camisetas e bermudas. Parte da produção também é realizada em oficinas da ONG em Campo Grande e Dourados.

Pelo trabalho cada custodiado recebe R$ 700 mensais, além de remição de um dia na pena a cada três de serviços prestados. Para atuarem com a costura, os internos são selecionados por bom comportamento, aptidão e mais tempo na prisão. Na oficina, eles passam por qualificação.

Luciel Lacerda Leite, 32 anos, é um dos trabalhadores. Sem nunca antes ter tido contato com a costura, o detento tem se destacado nos serviços e conta que descobriu, na oportunidade oferecida no presídio, uma ocupação digna para quando estiver em liberdade. “Estou gostando muito de costurar, é uma profissão e tanto, não é difícil de aprender, basta se dedicar”, comenta.

Com o conhecimento adquirido, ele acredita que poderá ser uma forma de garantir seu sustento e de sua família. “Hoje tenho como meta sair daqui, comprar uma máquina de costura e uma de estamparia e fazer camiseta em casa. Pelo que vi, não necessita de muito investimento, acredito que vai dar certo”, planeja.

Outro fator positivo, garante Luciel, é que o trabalho no local ajuda a “ocupar a mente” durante o período de cárcere. “Temos algo para focar, passamos a acreditar em um futuro melhor, não temos tempo de pensar em coisa errada, saio daqui da oficina e só quero descansar para encarar outro dia de trabalho”, afirma.

A instrutora de costura da Artaban, Romilda Antônio Morais, que coordena a produção, explica que, antes de trabalharem efetivamente na oficina, os internos passam por qualificação, conhecimento que poderá garantir espaço no mercado de trabalho. “Ensinamos os primeiros passos, como conhecer o avesso da peça, juntar uma manga, fazer uma barra etc. Com certeza, sairão daqui capacitados para atuarem na confecção de roupas”, afirma a instrutora. “Nossa intenção é que saiam daqui interessados em produzir alguma coisa, para que não precisem mais fazer o que fizeram”, complementa.

Segundo o diretor da penitenciária, Raul Ramalho, a parceria se concretizou com o apoio do Poder Judiciário e do Ministério Público, através do juiz da Execução Penal de Três Lagoas, Rodrigo Pedrini; do promotor de Justiça, Jui Bueno; e do presidente do Conselho da Comunidade, José Rodrigues, colabores ativos da iniciativa. “Tivemos uma audiência com os dois, juntamente com a ONG e a Prefeitura. Este apoio dá credibilidade à penitenciária de Três Lagoas para apresentar um trabalho voltado à humanização da pena”, declara.

Conforme o dirigente, já está sendo “costurado” o convênio para confecção dos uniformes para o próximo ano letivo. “Já conversamos com a Secretaria Municipal de Educação e estamos nos organizando para, a partir deste ano ainda, iniciarmos a confecção para não ter atrasos”, informa.

Para a implantação da oficina, ressalta Raul, a ONG Artaban realizou a revitalização do espaço, garantindo um ambiente mais digno para o trabalho dos detentos. “Estamos felizes com os resultados, e muito contentes e entusiasmados com este projeto”, afirma o diretor.

Para o diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, o aproveitamento da mão de obra prisional na prestação de serviços ao Poder Público gera economia e possibilidade de reinserção social de pessoas em situação de prisão, por meio do trabalho e profissionalização, o que impacta diretamente na redução da reincidência criminal.

Conforme o dirigente, o exemplo de Três Lagoas pode ser replicado em outros municípios e em diferentes trabalhos, como a reforma e produção de móveis. De acordo com Aud, além da confecção dos uniformes no regime fechado, parceria com a prefeitura de Três Lagoas também está utilizando mão de obra de homens e mulheres, que cumprem pena no regime semiaberto, na reforma e manutenção de escolas e demais prédios públicos, garantindo mais celeridade e redução de custos nas obras.

(Informações do site Notícias MS)

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13

Ver Todos os Programas da TVC
Dá Negócio
6651