Rádios On-line
8991

DNIT analisa inclusão de passarela

A inclusão da passarela foi um pedido do Ministério Público

27 JAN 2009 - 06h:18Por Redação

Representantes do Departamento Nacional de Infra Estrutura, da construtora Camargo Corrêa e da empresa CPR LTDA, consultora de engenharia, estão estudando a possibilidade de instalação de uma passarela para pedestres na ponte rodoviária que ligará os municípios de Três lagoas e Castilho (SP). De acordo com o supervisor do DNIT em Três Lagoas, o engenheiro Carlos Antonio Marcos Pascoal, a inclusão de uma passarela foi um pedido do Ministério Público, entretanto, ele e os engenheiros das duas empresas ainda estudam a possibilidade. “Não sabemos se este pedido poderá ser atendido. Atualmente, o projeto da construção da ponte passa por analises. O objetivo é tentar modernizar a estrutura, já que o projeto inicial foi elaborado há oito anos”, disse.
Na semana passada, Pascoal se reuniu com representantes das duas empresas para discutir as medidas de modernização da ponte. O engenheiro acredita que a obra esteja pronta para iniciar em março deste ano, porém pede cautela ao se falar em datas. “O que posso garantir é que o processo está bem encaminhado. Estamos fazendo de tudo para iniciar no primeiro trimestre. Como todo o processo burocrático e os estudos já foram iniciados e tudo está sendo acompanhado por Brasília (DF), estaremos uns quatro meses adiantados quando a obra for lançada. Mas a principal pergunta da população: quando começam as obras? Isto eu não posso responder”, explicou.
De acordo com o engenheiro, entre os detalhes em analise, estão: custo e algumas readequações. “Temos que acertar os últimos detalhes, por exemplo, entre as modernizações, aquelas que cabem no orçamento”. Esta foi a primeira reunião dos engenheiros após o “star” [aprovação e liberação do recurso] do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
A princípio, os acessos da ponte serão: em Castilho (SP), por uma rotatória situada próxima a base da Polícia Rodoviária Federal (PRF) daquele município. Já em Três Lagoas, a entrada será à direta do posto fiscal, onde o planejamento prevê a criação de um anel rodoviário. “Mas isto é um projeto distante ainda, que deverá ser estudado no futuro”, antecipou.

MOVIMENTAÇÃO

Por enquanto, a movimentação nos municípios para a concretização do projeto é pequena. O engenheiro explica que técnicos da Camargo Corrêa estão constantemente na Cidade e em Castilho para estudos do solo e jazidas. Mas reforça: “Uma vez determinada todas estas questões, a obra será rápida”.
Pelo menos as licenças que cabem ao DNIT, como a licença de instalação, já foram liberadas – restando apenas as licenças ligadas à empresa responsável pela execução do projeto. Uma delas seria a licença para a instalação do canteiro de obras. Pascoal explica que como os canteiros serão instalados em uma área da Companhia Energética de São Paulo (Cesp), a Camargo Corrêa precisa da autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).
A expectativa é que, com todos os estudos prontos, a obra lance duas frentes de trabalho – uma em Três Lagoas e outra em Castilho. O tamanho de cada frente dependerá do projeto pronto, completa Pascoal.
A ponte sobre o rio Paraná contará com 1.350 metros de extensão em pista simples. Além disso, serão 7,5 quilômetros de acesso – 50% de cada lado (Três Lagoas e Castilho). A previsão é que, após o início das obras, o projeto seja concluído em menos de três anos, prazo para máximo de exceção.

USINA

Com a ponte pronta, a pista sobre a Usina Hidrelétrica Engenheiro Souza Dias voltará a ser de uso interno da Cesp. A construção de uma ponte sobre o rio Paraná era um pedido antigo da Usina. Para se ter uma base, em 1989, a Cesp já apresentava projetos de construção de uma ponte rodoferroviária para desviar o trafego da unidade – informação do arquivo do Jornal do Povo. Estudos da Polícia Rodoviária Federal (PRF) mostram que, por dia, mais de 14 mil veículos passaram pela estrutura da Hidrelétrica. (RP)


Deixe seu Comentário

TVC Canal 13