Rádios On-line

Entrevista com Osmar Francisco de Oliveira

Ser um governador do Rotary é uma das emoções mais fortes da minha vida

1 NOV 2012 - 16h:35Por Arthur Freire

Osmar Francisco de Oliveira, 53 anos, foi eleito governador do distrito 4470 do Rotary, que abrange o Mato Grosso do Sul, a região noroeste do estado de São Paulo, Pedro Juan Caballero no Paraguai e Puerto Suarez na Bolívia. Mais conhecido como Shiko, o novo governador para o período compreendido entre julho de 2012 e junho de 2013, é um empresário do ramo de construção civil em Três Lagoas.

Com ampla experiência em administrar entidades e organizações não-governamentais, o governador rotariano concedeu uma entrevista ao JP, no qual destacou os valores e ações do Rotary Club International, bem como as metas e desafios do qual terá pela frente no cargo.

JP: Como o senhor avalia os quatro primeiros meses de mandato?
Osmar Francisco: Eu diria que foram muito prazerosos e cansativos ao mesmo tempo. Prazerosos porque tenho viajado e visitado todas as cidades do distrito 4470, sendo a maioria delas no Mato Grosso do Sul, totalizando 75 clubes. Tenho tido contato com a maioria dos associados, cerca de 1850 pessoas. Falta ainda visitar cerca de um quinto das cidades do distrito. Esse primeiro contato é fundamental para estabelecer contatos e, reafirmar os valores e a missão dos rotarianos. Cada cidade adota a sua ação, mas os resultados finais sempre são os mesmos, sempre pautados no lema da “Paz através do Servir”. Cansativos pelo cansaço físico natural imposto pelas viagens.

JP: Qual o motivo que o levou a aceitar o cargo de governador do distrito 4470 do Rotary?
Osmar Francisco: Tenho 24 anos de ação junto ao Rotary. Durante 22 anos participei da comissão de intercâmbio de jovens. Pelo programa ser bem visto e solicitado, acabei ganhando destaque. Há cerca de dez anos venho sendo convidado para assumir o posto de governador, mas nunca houve de fato uma oportunidade em que eu pudesse assumir. Mas desta vez não tive como não aceitar. Vivi muitas emoções fortes durante a vida, e a governadoria é certamente um deles. Ela me faz crescer como ser humano, e em todos os demais sentidos.

JP: Qual o verdadeiro sentido em ser um governador do Rotary?
Osmar Francisco: É a figura que deve levar aos associados motivação, oportunidades de ação, novas propostas de projetos e divulgar o lema do Rotary. Cabe ao governador verificar a situação administrativa de cada clube.

JP: Quais os principais objetivos do Rotary?
Osmar Francisco: Levar serviços humanitários a todas comunidades em nível mundial, para diminuir as diferenças sociais, que são provocadas pelo próprio ser humano. Resgatar junto aos mais necessitados a dignidade e promover a paz mundial.

J
P: Quais as ações do Rotary junto às comunidades?
Osmar Francisco: Entre os diversos programas realizados pelo Rotary em nível mundial, nossa ação mais ousada, jamais realizada por nenhuma outra Organização Não-Governamental (ONG) é o programa Polio Plus. A ação visa erradicar da face da Terra a poliomielite, doença que causa paralisia em crianças, que é evitada através da famosa vacina da gotinha. O Rotary assumiu este compromisso no ano de 1985, com o objetivo de erradicar a doença até o ano de 2005, quando o Rotary completou o seu centenário. Da meta inicial, se passaram sete anos e falta pouco para vencermos a doença de uma vez por todas. Menos de 1% dos países ainda possuem casos da doença de forma endêmica, como no caso da Nigéria, Paquistão e Afeganistão. Em algumas regiões, muitos líderes tribais dificultam o trabalho de vacinação, alegando que a vacina é na verdade uma arma para causar esterilização em massa das pessoas. São líderes que por não comungarem com a cultura ocidental, não se mostram acessíveis ao diálogo e compreensão. A maior evidência de sucesso da vacinação foi a Índia, o segundo país mais populoso do planeta, com uma população acima de 1 bilhão de habitantes, repleta de regiões carentes, e que no dia 13 de janeiro de 2012 completou um ano sem um único caso da poliomielite.

JP: A vacinas das campanhas contra a poliomielite no Brasil e no mundo são doadas integralmente pelo Rotary?
Osmar Francisco: Sim, todas as vacinas são doadas pelo Rotary Club Internacional. O valor das vacinas nos mais de 20 anos de campanha chegou a US$ 1 bilhão e 600 milhões. O dinheiro foi levantado através de doações voluntárias, sendo a doação mais expressiva a da Fundação Bill e Melinda Gates. Segundo dados levantados pela fundação, a vacinação economizou 50 bilhões em gastos de saúde pública no planeta. Os governos cobrem os gastos da campanha publicitária apenas.

JP: Qual o maior desafio a ser vencido no futuro pelo Rotary?
Osmar Francisco: O Analfabetismo, a pior doença social que pode existir, milhares e milhares de doenças começam no analfabetismo, assim como a maior parte das mazelas sociais.

JP: O Senhor já esteve à frente da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Três Lagoas. Por conhecer bem o problema, irá trabalhar em prol dos excepcionais?
Osmar Francisco: Os excepcionais são uma realidade em qualquer comunidade. As entidades cresceram muito, evoluíram para uma situação onde observei conforto e entendimento. Por todo o distrito, todas evoluíram muito.

JP: Como a pessoa deve proceder para se associar ao Rotary?
Osmar Francisco: Todos os sócios são profissionais líderes na comunidade. Possuem alto padrão ético. Para ser um associado, a pessoa com tais qualidades passará a ser observado por membros do clube. Então ela passa por apreciação do conselho diretor e clube, e posteriormente pode se associar. O Rotary é aberto a todos, e qualquer pessoa poder comparecer às reuniões, do qual será um enorme prazer receber a quem for.

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13