Rádios On-line
GOLPE

Golpes do PIX por meio de celular clonado são registrados em Três Lagoas

O golpe acontece quando o celular de uma pessoa é clonado e o hackeador passa a enviar links maliciosos aos contatos da agenda

13 ABR 2021 - 07h:00Por Daiana Oliveira

Em Três Lagoas, casos de golpe do PIX são registrados nas delegacias. Pelo menos, três ocorrências foram denunciadas à equipe de reportagem, sendo que o mais recente ocorreu na sexta-feira (9).

O golpe acontece quando o celular de uma pessoa é clonado e o hackeador passa a enviar links maliciosos aos contatos da agenda, solicitando atualização da ferramenta PIX ou o cadastro do mesmo.

A Polícia Civil alerta para este tipo de golpe, atentando que a pessoa não clique em qualquer link que venha receber em seu celular e ter muita atenção na hora de utilizar o aplicativo.

“Muitas vezes a pessoa se torna vítima por achar que terá algum ganho financeiro futuro ou por achar mais ágil a forma de acessar a funcionalidade, quando na verdade já existe um sistema seguro por meio de cada instituição bancária para fazer qualquer tipo de movimentação” relata o Delegado da SIG (Setor de Investigações Gerais), Dr. Ailton Pereira.

Vale lembrar  que é necessário atenção pelo correntista usuário do PIX na hora de realizar a transferência, a fim de evitar problemas futuros e possíveis golpes.

COMO PROTEGER O CELULAR DE SER CLONADO

Especialistas da tecnologia dizem que para evitar possíveis clonagens, é recomendado manter as senhas do seu celular e dos aplicativos atualizadas.

Um recurso muito útil é a autenticação de dois fatores. O aplicativo WhatsApp, por exemplo, oferece esta disponibilidade sendo possível realizar a autenticação em duas etapas fornecendo uma senha de seis dígitos. Isso ajuda a dificultar o acesso por terceiros em outros celulares em casos de furto ou clonagem. Além disso, desconetear o WhatsApp Web de desktops e notebooks e PC's também é outra recomendação para se proteger de golpes. 

Outra dica que os especialistas fornecem é evitar fazer procedimento sigiloso em wi-fi em locais públicos, especialmente quando não há necessidade de senha para ter acesso à internet.

Utilizar do desloqueio por meio de reconhecimento facial e impressão digital também tende a fornecer mais segurança.  

Confira no vídeo abaixo, outras informações a repeito de golpes cibernéticos, com o Delegado da SIG, Dr. Ailtomn Pereira. 

 

Deixe seu Comentário