Rádios On-line
TRêS LAGOAS

Horta em presídio leva inclusão e capacitação a internos

Administrada pelos próprios detentos, horta hidropônica tem capacidade para produzir 2.700 pés de verduras por mês

6 FEV 2018 - 06h:30Por Sergio Colacino

Um projeto desenvolvido na Penitenciária de Segurança Média de Três Lagoas contribui para a capacitação e ressocialização de detentos. Uma horta hidropônica foi instalada no pavilhão destinado a internos que possuem dificuldades motoras e outras limitações, que dificultam a inserção em atividades laborais. Administrada pelos próprios presos, a horta tem capacidade para produzir até 2.700 pés de verduras, que são consumidas na própria unidade prisional e doadas para instituições.

“É um novo trabalho que aprendi. Quando surgiu a oportunidade, não pensei duas vezes em agarrar. A responsabilidade é grande, precisa cuidar com muito amor e dedicação”, diz Euflávio Alves de Souza, condenado a 12 anos por tentativa de homicídio. A cada três dias de trabalho, a pena é reduzida em um dia. “Eu nunca imaginei isso em uma cadeia. É um conhecimento que vou levar para o resto da vida”, completa.

No local, são produzidos pelo menos oito tipos de verduras - Foto: Divulgação/Assessoria

No sistema hidropônico, as hortaliças são imersas numa solução de água contendo os micro e macro nutrientes necessários para o desenvolvimento da planta, livre dos problemas climáticos externos (chuvas, ventos e insolação), de forma a acelerar o crescimento das plantas, com aumento de produtividade e uniformidade na produção, se comparado ao cultivo tradicional. No local, são cultivadas hortaliças como rúcula, almeirão, couve e alfaces crespa, roxa e americana.

“Havia muita reclamação de ociosidade e até falta de harmonia no pavilhão. Hoje a gente vê uma melhora significativa após o projeto”, conta o diretor do presídio e idealizador do projeto, Raul Ramalho. Tudo que é produzido é consumido na própria unidade prisional e doado para instituições. “Podemos oferecer ao Hospital Auxiliadora e a outras instituições de caridade”, finaliza o diretor.

Deixe seu Comentário