Rádios On-line
FEMINICÍDIO

Mãe de mulher assassinada diz sentir alívio com suicídio de matador

Avó disse que pedirá guarda das netas à Justiça; laudo pericial será feito em SP

16 JAN 2018 - 16h:12Por Valdecir Cremon

Um fim dramático. O suicídio de Renato Otoni, confirmado na tarde desta terça-feira (16) pela Polícia Civil de Três Lagoas coloca um ponto final na investigação do assassinato da ex-mulher dele, Halley Coimbra, ocorrido no domingo passado, em um bairro da zona Leste da cidade.

O corpo dele foi encontrado com um ferimento por tiro na cabeça e o revólver, que pode ter sido o mesmo usado na morte de Halley, sobre seu colo, dentro do carro que pertencia a Otoni. Há suspeita de que o suicídio tenha ocorrido no mesmo dia do crime.

A mãe de Halley, Délia Coimbra, de 60 anos, disse que, agora, poderá atravessar o período de luto "com certa tranquilidade". "Ninguém ou nada vai trazer minha filha de volta. Eu sei disso. Mas, estou me sentindo um pouco aliviada com esse fim dele, porque não foi justo o que fez com a minha filha", disse.

Délia ainda afirmou desconhecer os motivos da separação do casal e nem porque Otoni assassinou a ex-mulher. "Não sei. Só sei que ele estava doente e que não aceitava a separação. Mas, não precisava fazer o que ele fez. Minha filha era uma pessoa maravilhosa. Nunca fez mal a ninguém. Muito menos à família", disse.

"O que ele fez com minhas netinhas também não se faz", afirmou.

O casal tinha duas filhas pequenas e Halley era mãe de uma adolescente de 15 anos, que estava na casa na hora do crime. Otoni também estava em seu segundo casamento.

NETOS

Délia Coimbra revelou que pretende pedir à Justiça a guarda definitiva das netas. "Elas são minhas. São a herança da minha filha para mim", afirmou ao revelar que possui decisão provisória sobre as netas a seu favor. 

Ainda em estado de choque, a avó afirmou que irá se esforçar para que as meninas, no futuro, saibam tudo o que ocorrreu. "Elas vão entender que o pai ficou doente e que cometeu um crime por causa desta doença. Eu vou criar minhas netinhas para que elas cresçam bem e em paz, sem ódio de ninguém", disse.

TIRO NA CABEÇA

A possibilidade de suicídio, identificada por policiais que foram ao local, foi admita por diversas características, como o carro blindado estar com todas as portas fechadas e a chave no contato. Sentado no lugar do motorista, Otoni tinha o braço e a mão esquerdos sujos de sangue. 

Os laudos periciais do caso serão feitos pelo Instituto Médico Legal de Andradina (SP) e o inquérito comandado pela Delegacia da Polícia Civil de Castilho, cidade em que o carro foi localizado. 

A delegada Letícia Mobis explicou que a apuração do "possível suicídio" será feita pela polícia paulista e que a investigação da morte de Halley continuará na Delegacia da Mulher de Três Lagoas.

Não há prazo definido para conclusão das investigações. (Colaboraram Sérgio Colacino e André Barbosa)

Deixe seu Comentário