Rádios On-line
POR VIDAS

Operação aérea transporta órgãos de estudante morta em acidente

Família de Milena Tokuda autorizou doação de coração, fígado, rins e córneas

14 DEZ 2017 - 09h:11Por Valdecir Cremon

Três aeronaves de pequeno porte, de Brasília (DF), São Paulo (SP) e da capital sul-mato-grossense Campo Grande pousaram no aeroporto de Três Lagoas durante a madrugada desta quinta-feira (14) para transporte de órgãos doados pela família da estudante Milena Tokuda, de 17 anos, que morreu em um acidente de moto. A operação envolveu o uso de aeronaves da FAB (Força Aérea Brasileira). 

Milena estava em coma havia 10 dias, desde o acidente em que também morreu o namorado dela Gustavo Ingarti Correia, de 19 anos. A decisão da família pela doação de órgãos ocorreu nesta quarta-feira (13), poucas horas após a confirmação da morte cerebral da estudante por médicos do Hospital Auxiliadora. 

Foram captados coração, fígado, rins e córneas. Não deverão ser divulgados dados dos recpectores dos órgãos nem dos locais onde os transplantes serão realizados. Entre as equipes de especialistas que vieram a Três Lagoas, uma era do Incor (Instituto do Coração), de São Paulo.

A família da estudante prefere não falar do assunto.  O hospital divulgou, agora de manhã, uma nota (veja abaixo) sobre os procedimentos na manhã de hoje.

LOGÍSTICA

Segundo o tenente-coronel Leandro Arruda, comandante do Corpo de Bombeiros da cidade, as aeronaves pousaram após a meia-noite e decolaram no final da madrugada, após a retirada dos órgãos. "Temos uma equipe treinada para este tipo de ocorrência, que deve ser executada sempre no mínimo espaço de tempo". O oficial parabenizou a equipe do aeroporto municipal de Três Lagoas. 

"Contamos com o apoio de toda nossa equipe, inclusive do pessoal de abastecimento das aeronaves, além dos demais integrantes do aeroporto. Fico feliz em poder dizer que nosso aeroporto está preparado para este tipo de ação, inclusive por termos o balizamento noturno, que é fundamental", disse a superintentende do terminal de passageiros, Sayuri Baez. 

NOTA DO HOSPITAL AUXILIADORA

"O Hospital Auxiliadora por meio da CIHDOTT (Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes), OPO/MS (Organização de Procura de Órgãos, da CET/MS (Central Estadual de Transplantes), realizaram na madrugada desta quinta-feira (14)  a 3ª  extração de órgãos da sua história.

A captação foi realizada por equipes do: Incor (Instituto do Coração), de São Paulo, uma equipe de Brasília e uma equipe de Campo Grande. Os órgãos captados foram: coração, fígado, rins e córneas. 

De acordo com a enfermeira coordenadora da Comissão Intra Hospitalar de Doação de Orgão e Tecido para Transplantes (CIHDOTT) e coordenadora da UTI do Auxiliadora, Daiane Alves Santos “É gratificante em contribuir com as pessoas que estão na fila de transplantes e que certamente irá salvar outras pessoas”, disse. O enfermeiro coordenador do Pronto Socorro, assistentes sociais e médico também fazem parte da equipe da CIHDOTT.

A doação só foi possível pois a família foi favorável a doação. A paciente foi diagnosticada com morte encefálica. Os órgãos captados serão implantados obedecendo a fila de espera de âmbito nacional. 
Como ser doador
A decisão final é dos familiares: são eles que definirão se é quais órgãos e tecidos serão doados. Por isso, é fundamental que os doadores deixem seu desejo claro para os parentes.

Seja um doador de órgãos e avise sua família, sua ajuda pode salvar vidas. A doação de órgão não é contrária às leis da natureza, porque beneficia a vida."

Deixe seu Comentário