Rádios On-line
DATERRA QUER ALUGAR MOBILE
ALTERNATIVA

Prefeitura de Três Lagoas vai tentar financiamento para executar obras

Governo federal “fecha as torneiras” para a liberação de verbas e municípios vão em busca de alternativas para viabilizar investimentos

18 FEV 2017 - 10h:00Por Ana Cristina Santos

Com as “torneiras” do governo federal fechadas para a liberação de recursos, municípios são obrigados a buscarem alternativas para conseguir executar grandes obras. Esse é o caso de Três Lagoas. O prefeito da cidade, Ângelo Guerreiro (PSDB), disse que vai tentar um financiamento com as instituições bancárias, como BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), para ver se consegue executar projetos considerados necessários para o município, como por exemplo, obras de drenagem.

Nesta semana, o prefeito cumpriu agenda, em Brasília, onde, na companhia do senador Pedro Chaves (PSC/MS), percorreu ministérios, na tentativa de viabilizar recursos para o município. De acordo com Guerreiro, o governo federal, praticamente tem liberado apenas as verbas carimbadas. Com isso, os municípios têm sido obrigados a “caminharem com as pernas próprias”. 

Recursos para a execução de grandes projetos não devem ser liberados. Essa foi a resposta que o prefeito, obteve nos ministérios. Guerreiro disse que foi reapresentado ao governo federal, um projeto que prevê a construção de obras de drenagem de águas pluviais, por meio de um empréstimo no valor de R$ 112 milhões. No entanto, mais uma vez o município não conseguiu a liberação do valor. O projeto, que prevê a construção de quatro grandes bacias de drenagem  para resolver boa parte dos problemas de alagamentos nas ruas da cidade, inicialmente orçado em R$ 84 milhões, foi apresentado ainda na gestão da prefeita Márcia Moura (PMDB). Nem mesmo sendo um empréstimo, e com o poder de endividamento que o município tem, o governo federal librou o montante.

Segundo Guerreiro, a alternativa será tentar um financiamento com outras instituições financeiras. Ele citou o Plano de Ação Três Lagoas Sustentável, apresentado em dezembro do ano passado, que prevê “ações prioritárias” para o município nas áreas de saneamento , drenagem, transporte, saúde, gestão dos gastos públicos, impostos e autonomia financeira, entre outras.

Além das ações previstas e de valores dos investimentos necessários, o plano identifica possíveis fontes de financiamento. O estudo, voltado para melhorar a qualidade de vida dos moradores e preparar a cidade para um desenvolvimento sustentável, foi elaborado a partir de uma parceria entre o BID, BNDES, Instituto Arapyaú, Instituto Votorantim, empresa Fibria, Caixa Econômica Federal e prefeitura.
Com base nesse estudo, é que a administração municipal pretende conseguir os recursos necessários para a execução dessas obras de drenagem.

ECONOMIA

Enquanto não consegue um montante para as grandes obras, o prefeito disse que a gestão municipal faz sua parte para que, com recursos próprios, consiga atender as necessidades básicas do município. “Não podemos ficar desmotivados, temos que ir em busca de alternativas e tentando viabilizar recursos nos ministérios. Acreditamos que até o final do ano, a situação do País deve melhorar”, declarou.

Apesar disso, informou que existem outras situações em análise, que podem beneficiar Três Lagoas.

Deixe seu Comentário

TVC Canal 13