Rádios On-line
BELEZA

Passo a passo para lavar a pele oleosa com perfeição

Sabonete em barra ou líquido? Pode ser esfoliante? Tire suas dúvidas sobre esse momento essencial da rotina de cuidados com a pele.

17 SET 2018 - 08h:35Por Redação

Manter uma rotina diária de limpeza da pele é indispensável para todos os tipos de pele – seca, mista, oleosa ou normal. E pessoas com pele oleosa têm um motivo extra para não descuidar desse hábito. É o que explica a dermatologista Danielle Cangussu Sampaio Beltrani, da Clínica Derm Clean (Peruíbe-SP):

“A limpeza da pele é importante de manhã e à noite, para remover impurezas do dia a dia causadas pela poluição e outros agentes externos. E também para controlar a secreção das glândulas sebáceas, que se encontram aumentadas em pacientes com pele oleosa, podendo levar a comedões (cravos) e lesões inflamatórias (espinhas).”

A dermatologista Adriana Cairo, médica preceptora da residência em dermatologia do Complexo Hospitalar Heliópolis (SP), diz que as etapas básicas da lavagem são as mesmas para todos os tipos de pele – lavar, tonificar, hidratar e aplicar protetor solar –, mas quem tem pele oleosa “pode, antes do  aplicar um sérum com vitamina C ou um sérum secativo para segurar a oleosidade durante o dia”. Uma alternativa ao sérum é o protetor solar com ativos secativos.

As médicas contam a seguir todos os detalhes para uma lavagem perfeita para a pele oleosa. Passo a passo, bem explicadinho. Vem!

Sabonete e água ideais para lavar a pele oleosa

Em primeiro lugar, é essencial escolher um sabonete desenvolvido especificamente para a pele oleosa. Em bons produtos, esta informação está bem aparente na embalagem ou no rótulo. Os princípios ativos mais comuns são os ácido salicílico e o enxofre.

O sabonete pode ser em barra ou líquido. “Em barra normalmente é um pouco mais concentrado que o líquido, o que significa que o sabonete é muito secativo e ajuda muito no controle da oleosidade”, afirma Adriana. Seguindo a mesma linha de raciocínio, Danielle esclarece que os líquidos, por serem mais suaves, “se encaixam melhor em peles oleosas mais sensíveis”. Se ficar em dúvida sobre qual escolher, não hesite em consultar um dermatologista para matar a charada.

A água deve estar em temperatura ambiente ou fria. Quente, ela pode secar demais a pele e causar o “efeito rebote”, em que o organismo entende que não há mais nenhuma oleosidade e é necessário produzir sebo o mais rápido possível. Conclusão: pele bem mais oleosa na sequência.

O momento da lavagem da pele oleosa

Antes de aplicar o sabonete na pele é necessário molhá-la. “O sabonete é feito para ser misturado com a água. Passar o sabonete direto no rosto não faz sentido”, orienta Adriana. “Em barra ou líquido, deve ser dissolvido na água, para ter uma melhor espalhabilidade.”

Espalhe o sabonete no rosto fazendo movimentos circulares, começando pela testa e acabando no queixo.

O uso de um sabonete esfoliante pode ser interessante no máximo uma vez por semana, e de preferência com ativos naturais para pele oleosa. “Funciona como uma microdermoabrasão leve: retira a primeira camada da pele e dá a sensação de uma pele mais lisa”, diz Adriana.

Danielle alerta apenas que, em alguns casos, os esfoliantes podem sensibilizar e irritar a pele. Para quem já tenha passado por isso ou esteja em dúvida, “o ideal é associar produtos com ação secativa, anti-inflamatória e/ou à base de ácidos prescritos pelo dermatologista.”

Para finalizar a lavagem, enxague muito bem o rosto com bastante água e seque com uma toalha macia, sem esfregar a pele – friccionar um tecido sobre ela pode deixá-la irritada.

Pode deixar um restinho de sabonete, para ele continuar fazendo efeito?

Este é um hábito que muitas pessoas com pele oleosa têm, e sempre fica a dúvida se está certo fazer deste jeito. A resposta para a pergunta aí de cima é um redondo não.

“Sabonete é para ser removido, não foi desenvolvido para permanecer na pele”, afirma Adriana, que aproveita para advertir: “A pele com restos de um sabonete com ácido salicílico, ao ser exposta ao sol, pode sofrer queimaduras e manchas.”

Por isso, tenha em mente que é para enxaguar muito bem. O efeito secativo fica por conta dos séruns feitos para este fim.

Resista à tentação: não lave a pele oleosa mais que duas vezes por dia

Pode ser que você tenha a pele oleosa e, por senti-la pesada e brilhante ao longo do dia, ache necessário lavá-la algumas vezes além daquelas da manhã e da noite. Por favor, não faça isso.

As médicas dermatologistas esclarecem que esse hábito pode levar ao efeito rebote – o mesmo mencionado lá em cima, quando o assunto era água quente. A pele resseca demais e o organismo entende que precisa produzir mais sebo, e o mais rápido possível. Por isso que você não vence a pele oleosa se insistir em lavá-la no meio da manhã, depois do almoço, no meio da tarde e outras vezes mais.

Para controlar a oleosidade da pele ao longo do dia, Adriana recomenda águas termais com zinco, princípio ativo com efeito secativo. “Mas a melhor maneira de controlar a oleosidade do dia é usando um ativo secativo à noite”, conclui.

(mdemulher)

Deixe seu Comentário